.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

E chegámos a um Portugal cada vez mais desigual, em que a noção da decência e eticidade comportamental ficou pelo caminho

Segundo dados revelados ontem pelo Eurostat, referentes a 2014, Portugal é o país da União Europeia onde o fosso entre os salários mais altos e a média é maior. Em sentido inverso, ocupamos o topo da lista no que diz respeito à diferença entre a média e os salários mais baixos, a par dos países escandinavos e de potencias como Itália e França.
Olhando para o segundo indicador, onde nos encontramos lado a lado com algumas das mais robustas economias da UE, poderemos ser induzidos no erro de achar que afinal estamos melhor do que pensávamos. Não estamos. Apesar da inexistência de um salário mínimo fixado por lei na maioria dos países ao lado dos quais surgimos – Dinamarca, Suécia, Finlândia e Itália – se olharmos para os salários médios destes países, aos quais se juntam França e Bélgica, com salários mínimos de 1457,52€ e 1559,38€ respectivamente, verificamos que, em todos eles, o salário médio é superior a 2 mil euros (oscila entre os 2017€ em Itália e os 3553€ na Dinamarca), ao passo que o salário médio em Portugal é de 968€.
Via Aventar

Sem comentários: