Sou o senhor de meu destino; Sou o capitão de minha alma.” William Ernest Henley

quarta-feira, 22 de abril de 2020

É isto, em tempo de pandemia, um vereador da Câmara Municipal da Figueira da Foz?

DR. CARLOS TENREIRO, V. Exa. é um brincalhão e um porreirinho do catano, mas como político é um falhanço completo: nem a Junta de Buarcos e S. Julião conseguiu ganhar ao meu Primo!..
Na actualidade, toda a gente já percebeu o óbvio -  V. Exa. virou porta voz DO PODER... E sem necessidade de megafone, pois está por dentro... 

Nada contra. Nem a favor. Não votei em si, nem na sua lista. Portanto, não me traiu a mim, nem traiu o meu voto. A quem isso aconteceu, que lhe peça contas. Constato, é que desde Abril do ano passado, V. Exa. é um seguidor acrítico, cego e surdo, mas  não mudo,  do "discurso oficial" do actual poder  socialista local.  E que, mais do que sintonizado, V. Exa. está totalmente engajado. E é (mais um) porta voz. Mas, isso,  continua a ser problema seu. Se daí tirar dividendos, que lhe façam bom proveito.

Face ao que se passou na última reunião da Câmara Municipal, poderia perguntar-lhe era o que estava a fazer há 30 anos e tal anos: não o faço nem precisa de me responder: eu sei.
Aproveito é este escrito na minha casa, para esclarecer onde eu estava.
A trabalhar, como administrativo, na EDP, depois de sem cunhas ou ajudas familiares, ter ido a um "casting": um concurso externo com mais de 7 600 (sete mil e seiscentos) concorrentes e ter ficado colocado em 3º. (terceiro) lugar.
E, por essa altura, era secretário do executivo da Junta de Freguesia de S. Pedro, depois de ter derrotado, nas urnas, o todo poderoso PS figueirense de 1985/1986. Era, também, membro dos corpos gerentes do Grupo Desportivo Cova-Gala (onde tenho uma "carreira" de mais de 25 anos) - fui vogal,  vice-presidente da Direcção, secretário (da Direcção e da Assembleia Geral), presidente do Conselho Fiscal, presidente da Assembleia Geral. Andei, como membro dos corpos gerentes, a partir dos 16 anos pelo Desportivo Clube Marítimo da Gala. Passei pelo Clube Mocidade Covense. Fiz parte de uma Comissão de Moradores na Cova e Gala, a seguir ao 25 de Abril de 1974. Nos tempos difíceis, fui festeiro (sim, fui festeiro), isto é, fiz parte de uma equipa que organizou e realizou a Festa de S. Pedro na Cova e Gala. Já neste século, fui secretário da Direcção do Centro Social da Cova e Gala durante 8 anos. Fiz parte da Direcção do Sindicato dos Empregados de Escritório do Distrito de Coimbra. E fui jornalista. E fui empregado de escritório. E trabalhei no projecto do Baixo Mondego. E andei nas obras. E fui tasqueiro. E andei à pesca da lampreia e do sável. Sei bem a dureza desta pesca em noites gélidas de janeiro e fevereiro. E apanhei toneladas de berbigão no rio Mondego... E sei bem o que é estudar à noite - e ter de me deslocar de bicicleta, no inverno, para frequentar as aulas na Bernardino Machado, depois de um dia de trabalho.

Tenho 66 anos. Não tive um Pai rico (mas tive um rico Pai, apesar de ter morrido muito novo). Não tive ajudas do sogro (apesar de ter sido um grande seu Amigo). Enfim, desde muito novo que estou habituado a contar comigo próprio...
Nunca fui empregado político, nem "avençado". Conheço - e bons proveitos disso deve ter tido - quem foi "avençado" de 3 presidentes de câmara: Aguiar de Carvalho, Santana Lopes e Duarte Silva. Nem nunca pedi favores profissionais a ninguém. E, até hoje, nunca deixei de comer...

Sem comentários: