.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

De vez em quando é bom recordar que a Figueira tem atletismo.... (III)

A Figueira da Foz não dispõe de condições para a prática do atletismo.
Já fizemos a denuncia  do facto vezes sem conta neste Outra Margem.
Fonseca Antunes, para vergonha de quem passou pelo poder autárquico figueirense nos últimos 30 anos,  em entrevista ao jornal AS BEIRAS é claro: “penso que os sucessivos executivos camarários não escolheram como prioridade melhorar as infraestruturas desportivas municipais”.
Uma pista de atletismo custaria cerca de 400 mil euros.  “Mas o mais dramático de tudo é saber que tempos houve em que estas infraestruturas custariam à câmara, com apoio europeu, apenas 15 por cento do custo total. Perdeu-se uma grande oportunidade”, afirma Fonseca Antunes.
Se o Estádio Municipal José Bento Pessoa tivesse uma pista de tartan, diz ainda o treinador, “levaria a que todas as modalidades desportivas praticadas no concelho usufruíssem de instrumentos de alto gabarito, a uma melhoria óbvia e evidente do espaço municipal e a um investimento nos jovens estudantes”. Em última instância, defende ainda, “iria potenciar a prática desportiva destes grandes atletas”.
A conclusão é óbvia: “houve falta de visão estratégica, por parte dos governantes locais”.
Todavia deixa uma réstia de esperança para o futuro.
“Actualmente, porém, noto interesse por parte do executivo camarário em criar condições. Já tivemos reuniões neste sentido”.
Contudo, faz um aviso.“investir numa pista no estádio municipal antes de se fazerem obras de fundo não é aconselhável, porque ele encontra-se num estado lastimável, muito degradado. Fiquei desagradavelmente surpreendido com o que constatei”.
No entanto, Fonseca Antunes insiste e realça  utilidade de uma pista, nem que seja sintética, mas perto da zona escolar, pois “ permitira criar uma escola municipal de atletismo com projecção nacional, através dos clubes do país”. E, se calhar, “até poderia competir na 1.ª Divisão nacional, tendo em conta a qualidade dos atletas locais, sem contar com estrangeiros”
Esta nossa cidade tem de deixar de ser uma cidade que tem um atirador olímpico, que ficou sem local para treinar e que tem vários campeões nacionais de atletismo, que treinam na praia!.. 
Como escrevemos anteriormente neste blogue, continua a ter a palavra a autarquia. 
O atletismo figueirense há muito que justifica outro tratamento de quem de direito, pois já fez mais do que o suficiente para o merecer....

Sem comentários: