quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Envergonha e deveria fazer pensar

Duarte Silva, a cerca de mês e meio do final do segundo mandato à frente da Câmara Municipal da Figueira da Foz, encontra-se claramente em dificuldades.
Sem Paulo Pereira Coelho e sem José Elísio, perdeu a maioria de que dispunha.
Como se vê, maioria absoluta, não é garantia de estabilidade governativa.

Verdadeiramente chocante, em mais este caso da maioria PSD, é que, casos destes, já não chocam ninguém. Nem quem os perpetra , como desta vez, Duarte Silva e José Elísio, nem quem deles tem conhecimento – o concelho.

Todavia, isto é grave, e é o resultado de um sentimento instalado por um executivo e por um Partido que, continuadamente durante quatro anos, não respeitou os seus eleitores e os habitantes do concelho da Figueira da Foz, não se respeitou a si próprio, patrocinando e avalizando episódios, mais ou menos burlescos, que de tantos e tão absurdos, acabaram por enformar a razão plausível daqueles que hoje dizem, à boca cheia, que a Figueira é um concelho desgovernado.
Este lamentável episódio poderá passar rapidamente ao esquecimento. Mas que envergonha e deveria fazer pensar, lá isso é verdade.
Estes últimos quatro anos de presidência do eng. Duarte Silva, mais do que um revés para o PSD local, constituíram um revés para o desenvolvimento da Figueira da Foz.

1 comentário:

RMG disse...

Não concordo. Foi, efectivamente, bem pior do que diz. E, sendo assim, espero que tenha um resultado a condizer com os últimos quatros anos.