Sou o senhor de meu destino; Sou o capitão de minha alma.” William Ernest Henley

segunda-feira, 27 de setembro de 2021

Crónica na ÓBVIA - EDIÇÃO Nº. 1

A ficção da realidade política figueirense em Setembro de 2021...

Na Figueira, em Setembro de 2021, a realidade conseguiu ultrapassar a ficção. 
A 17 dias da realização do acto eleitoral, a 9 de Setembro, havia duas candidaturas que ainda se debatiam com uma dúvida, certamente pertinente e preocupante para elas: vamos, ou não, a votos?
A candidatura "Figueira a Primeira" à Câmara da Figueira da Foz, liderada por Santana Lopes, foi validada pelo Tribunal Constitucional, que negou provimento ao recurso do PSD, nesse dia 9 de Setembro de 2021, a 17 dias da realização do acto eleitoral do próximo dia 26.
No mesmo acórdão, o TC julgou improcedente o recurso do partido Chega, que assim não conseguiu candidatar-se, na sequência de uma decisão do Tribunal da Figueira da Foz, conhecida em 24 de agosto.
Claro que não há termo de comparação entre estas duas candidaturas: a de Santana estava na corrida e havia a intenção de colocá-la fora; a do Chega estava fora, desde 24 de Agosto, e havia a intenção de colocá-la dentro da corrida.

Nesta crónica de ficção, imaginemos, entretanto, que já estamos a 27 de Setembro de 2021, no rescaldo das autárquicas.  A candidatura PSD, de Pedro Machado, levou uma sova, ou perde por pouco. 
A previsão sobre o que vai acontecer é fácil de decifrar: o presidente da concelhia do PSD Figueira fica em apuros. Provavelmente, surge o senhor que segue para tentar fazer renascer o PSD das cinzas, na Figueira. 
Deixo um palpite sobre um putativo nome: quiçá, o engenheiro António Albuquerque.
Como estamos num cenário de ficção, continuemos.  A candidatura PSD, de Pedro Machado ganha. As facas contra o presidente da concelhia permanecem afiadas, mas a aguardar a próxima oportunidade.
O que vale para o PSD, vale para o PS. Com uma nuance: os protagonistas serão outros. 
Em vez de Ricardo Silva e António Albuquerque, teremos Carlos Monteiro e, quiçá, João Portugal.

Nesta viagem ficcionada no tempo, recuemos a 10 de Setembro de 2021 (o último dia que a direcção da ÓBVIA me deu para apresentar a crónica). 
Constata-se o  renascer do mito Santana na Figueira. Quanto mais tentaram obstaculizar a sua ida às urnas, mais o "povo" o apoia. O "povo" não quer saber da dívida: fala é na "obra". Quem anda na rua e pelas aldeias do concelho vê a realidade. O "povo" diz "que a Figueira desde o Santana morreu e que ele tem de  continuar o seu «bom trabalho»"...
Blá, blá, blá, blá, blá, blá?.. Claro! E o resto, não são cantigas?..
O "povo" figueirense não deixa de ser uma amostra do "povo" português. Esse “povo” que, se for preciso, à frente de um microfone e de uma câmara, defende a pena de morte, a expulsão dos imigrantes ou a justiça popular. O mesmo “povo” que diz mal dos políticos mas que, logo a seguir, é capaz de se humilhar só para receber uma esferográfica desses políticos. O mesmo “povo” que critica o Estado e que, por tudo e por nada, se encosta ao poder. O mesmo “povo” que, quando espicaçado pela comunicação social, injuria “os poderosos” para, no dia seguinte, rastejar para receber uma qualquer migalha do prato do “Sr. Doutor” ou do “Sr. Engenheiro”.
Confesso: é deste “povo” que eu tenho medo...

O que esperar, pois, em 20 de Setembro de 2021, data em que se comemoram os 139 anos da passagem da Figueira da Foz a cidade, com uma eleição autárquica à porta?
Desde há décadas, que o bom "povo" figueirense prefere a ficção à realidade. 
Não vai ser diferente no dia 26 de Setembro de 2021.
Como está provado, nada resolve. 
O "povo" prefere continuar a acreditar na história da carochinha. 
Para quê, portanto, em 2021, acordar e estragar o "sonho"? 
(OBVIAmente, qualquer semelhança que esta crónica possa vir a ter com a realidade figueirense a partir de 26 de Setembro próximo, será apenas mera coincidência.) 

Sem comentários: