"Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha." - Confúcio

sábado, 18 de setembro de 2021

Autárquicas 2021: inauguração de um edifício sede de uma Junta de Freguesia a oito dias das eleições!

Senhor Presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz:
A oito dias da votação para as autárquicas 2021, na Figueira, esta missiva que lhe dirijo é o texto elaborado da forma mais desapaixonada e descomprometida que alguma vez me aconteceu.

Todos sabemos a forma como chegou a presidente de câmara.
Com a frontalidade que, presumo, embora não gostando de mim nem um bocadinho, me reconhece, digo-lhe que nunca fui seu admirador, enquanto político. Já agora, para ser completamente sincero, ainda menos o apreciei enquanto vereador e vice-presidente. E, ainda menos, desde Abril, de 2019, como presidente.

Esclarecido isto, o facto é que V.a Exa. é o presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz.
Na política, o Senhor e eu sabemos, que das palavras com promessas aos actos, vai uma enorme distância.
Na política, o Senhor e eu sabemos como é importante o parecer. Infinitamente mais que o ser.
Na política, o Senhor e eu sabemos como é importante a  gestão da imagem e da agenda de que todos falam, mas  poucos conseguem gerir e dominar.
Ambos sabemos que o concelho da Figueira, nestas autárquicas de 2021, vive uma campanha marcada por uma circunstância extraordinária - a candidatura de Santana Lopes -, não pelo facto de ser um ex-Primeiro-Ministro, mas por ter sido o político que, em 1997, tirou o PS da cadeira do poder autárquico, depois de cerca de 2 décadas de liderança.

A Figueira - e o concelho -, tem questões acumuladas por solucionar, por  anos e anos de problemas empurrados com a barriga ou olimpicamente ignorados.
O Senhor está há 12 anos seguidos no Poder, 8 dos quais em maioria absoluta.
Sou franco: não confio na sua competência política, nem na competência da sua equipa de vereadores. 
Recordo o deslumbramento e a arrogância com que tomou conta do poder em Abril de 2019, após a ida para Lisboa do anterior presidente.
Desconfio também da competência da sua equipa. Desconfio ainda de muitas das medidas que anunciou, nomeadamente os objectivos da autarquia para 2020, em declarações aos jornalistas, na passagem de ano de 2019 para 2020.

Desde logo, para que serviu esta requalificação do Cabedelo? 
Estão resolvidos os problemas do Parque Industrial e Empresarial da Figueira da Foz, designadamente foi suprida a falta de terrenos disponíveis? Onde ficam situados os 20 hectares anunciados para o seu crescimento? 
A Zona Industrial do Pincho, já tem os prometidos 18 hectares de terrenos municipais disponíveis para a implantação de empresas? Já foram adquiridos os 22 hectares que faltam para dimensionar  a zona industrial do Pincho para os 40, como foi prometido? 
Já foi elaborado o Plano de Pormenor do Vale de Murta, prevendo-se que venha a ter uma área de implantação de 18 hectares? 
Onde é que estão as medidas a favor da mobilidade sustentável? A ciclovia europeia Eurovelo, era para ter sido uma realidade em 2020, incluindo uma ponte sobre o Mondego. A requalificação da estrada “Enforca cães” também era para arrancar em 2020. 
No sector da saúde, onde é que está a solução para Maiorca? 
Que eficácia tem a penalização do IMI para imóveis devolutos? Por exemplo, quanto é que pagam de IMI os proprietários do Edifício o Trabalho?
A limpeza de espaços públicos tem sido alvo de críticas.  Que eficácia teve  “a grande novidade de 2020", que foi o anúncio da Câmara "investir muito na limpeza do concelho, no sentido de que a Figueira da Foz seja uma referência de qualidade de vida, tendo a sustentabilidade sempre presente"?
Ao menos o concelho tem mais e melhor internet?
Ou estou muito enganado, ou V. Exa. não tem a fibra, a estaleca, a visão e o sentido de planeamento e responsabilidade que se exigem a um Presidente de Câmara digno desse nome.

Na Figueira atingiu-se o tempo das reformas, mas das reformas a sério, estruturais e globais. Como saberá as reformas para ultrapassar este "definhamento" em que vivemos, não se fazem a um ano, dois anos. Levam muito mais tempo, fazem-se a quatro, oito anos, senão a uma década ou ainda mais. 
V.a Exa.  sabe que não pode, nem tem condições para protagonizar a mudança que a Figueira precisa. Não é com uns remendos aqui, outros ali, uma gestão criteriosa de inaugurações, que se pode aspirar a uma reeleição. 
Pode acontecer. Mas, se acontecer os figueirenses estarão a contribuir para adiar o desenvolvimento do concelho. Estarão a contribuir, ainda mais, para adiar o que é inadiável.
A situação do concelho é preocupante. Não basta, presumo eu, a oito dias da realização das eleições, inaugurar um edifício´sede de uma Junta de freguesia, para ganhar eleições. 
Uma simples pergunta final: ao menos as obras estão terminadas no edifício sede da Junta de Freguesia de Vila Verde no dia da inauguração?

Sem comentários: