.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Popular



A meu ver, para entender a cultura popular é preciso estar na rua.
É na rua que desponta e é lá que ela acaba por desaguar.
Há sempre um momento em que alguém faz confluir numa tendência, inicialmente marginal, um conjunto de vontades onde se aglutinam valores éticos e estéticos que se manifestam desde a moda à música, passando pela forma de relação pessoal, inter-pessoal, e relação com a cultura pré-existente, enfim, o que nos rodeia. 
Simplificando: de repente, algo que não estava presente no colectivo passa a estar. E cresce.
Quim Barreiros, de quem nem sequer sou fã, é um bom exemplo: cresceu. Hoje, é gigante, vê-se ao longe. Dia após dia, mês após mês, ano após ano, em passinhos pequeninos foi-se entranhando, ganhou visibilidade e dimensão popular. Já chegou onde queria: ao elogio dos vivos que gostam da vidinha do quotidiano do cidadão comum, isto é, da rua. 
Esta vida vivida pelo cidadão que  sabe o que falta e está atento. Esta vida feita de gente porosa, permeável, que faz o que nunca se fez antes, pelo menos, nunca daquela forma. Da forma que responde à necessidade daquele momento. Parte da cultura popular é o momento. Numa palavra: pulsação.
Para quem, como eu, sempre teve relação apaixonada com o fado, hoje, é quase preferível nem o ouvir, para não ter que escutar o que se fez desde que ganhou estatuto e, socialmente falando, foi revalorizado - isto é, reabilitado. 
Há muito fado dentro do fado. 
O meu fado é o transgressor. É o fado das frases longas inventadas por Alain Oulman para os poetas que Amália cantou. 
A Camané, que pena, ao excelente Camané, falta-lhe um Oulman...

Sem comentários: