.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

terça-feira, 27 de junho de 2017

Crónicas destas, definitivamente não, Dona Isabel Maranha!.. São violentas.

"É em junho que se celebram os Santos Populares. Muitas destas celebrações tornam-se eventos de grande repercussão, para as cidades que adoptaram como o seu dia, o do calendário religioso. Lisboa com o Santo António e Porto com São João são disto exemplos. Na Figueira o dia da cidade também coincide com as celebrações de S. João. A cidade e todos os seus agentes económicos esperam nesses dias um aumento de visitantes e de volume de negócios, geram-se pequeníssimas economias directamente ligadas às temáticas dos eventos, todas elas importantes à economia da cidade e do concelho. No concelho, praticamente em todas as freguesias e lugares, o verão decorre ao sabor das festas dos seus padroeiros, motivo de celebrações e fruição para habitantes e familiares que se encontram ausentes, emigrados ou migrados. Estes acontecimentos, para além da carolice dos festeiros locais, justificam a actividade do município no apoio logístico. Literalmente falando, ele é solicitado para “ajudar à festa” mas, a festa é de todos! É pública! Destina-se a uma ou várias comunidades e o apoio municipal é colectivo! Entendendo a comunidade, já não se entende a edilidade! Devendo dar o exemplo, pelos vistos, viabiliza a festa privada em equipamento municipal, torna-se depois invisível, mas todavia permissível… E já diz o ditado: “Quem quer festa, sua-lhe a testa”!"

Época das Festas, dos Santos Populares e outras (de) mais…, uma crónica de Isabel Maranha Cardoso, economista, publicada no jornal AS BEIRAS.

Nota de rodapé.
Assim não vale. 
Na Figueira, os cronistas e os blogueiros, apenas escrevem crónicas e blogues, bem quistos, quando servem para dar conta que A diz que B dá traques em público.  C insinua que D é filho bastardo. Z diz que A é um palerma parolo. G sugere que F é um tolinho.  S afirma que H é um trambolho.  T assegura que L é um pedaço de mau caminho.  Q insinua que M é espertalhão. V considera P atrasado. J propala que I é calculista... Etc, etc, etc, etc...
Coias assim, importantes!
Mormente, quando toda esta gente pertence à elite figueirinhas, isto é, de excelentes e conceituadas famílas e foi educada nos melhores estabelcimentos de ensino existentes, à época, na outrora Praia da Claridade, actual praia da calamidade.
Nos últimos anos,  na nossa querida Figuiera, a preocupação com os traumas e o evitar enfrentar as realidades extravasou...
Não temos problemas.  Estamos em crescimento.
Em desenvolvimento.
Negativo: mas, crescimento e desenvolvimento!
Eu sei que alguns, acham isto confuso. 
Inscrevam-se nas novas oportunidades.
Imediatamente... 
Os outros, como este escriba/blogueiro, merecem desprezo, pela falta de chá que evidenciam, ao irem ao encontro dos problemas importantes que existem na sociedade figueirinhas...

Sem comentários: