Ernest Hemingway: «Um homem pode ser destruído mas não vencido.»

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Tributo a José Afonso - 23/02/1987 - 23/02/2015

Onde quer que estejas...nós estaremos contigo!
Obrigado pelas tuas canções!


Aproxima-se Abril e a generosidade que tantas vezes salta fronteiras e se aproxima dos que combatem pela liberdade ou, apenas, por um futuro digno, começa a ser mais assiduamente evocada. 
Pode haver gente ignorante ou miserável que despreza a história ou os outros - mas, a esses devemos ter a sabedoria de desprezar...
Estamos quase em Abril, o mês do generoso laço da Fraternidade e da Liberdade que nunca deveremos calar no nosso peito.
A vida de um País é naturalmente cheia de períodos bons e de outros para esquecer. O período que estamos a atravessar é destes últimos: para esquecer.
Abril, para mim, todos os anos é um bom mês para renascer. 
José Manuel Cerqueira Afonso dos Santos, que nasceu em Aveiro, a 2 de Agosto de 1929, morreu em Setúbal, no dia 23 de Fevereiro de 1987.
Foi um cantor e compositor português, também conhecido pelo diminutivo familiar de Zeca Afonso, que para muitos continua a ser sinal de esperança no futuro. 
Portanto, neste dia que fica aqui superiormente assinalado com o texto inédito do meu Amigo Luís Pena, fica a esperança que a esperança renasça, que a vontade de lutar renasça, que a força renasça - até porque, nossos, são possíveis todos os caminhos.  

O texto de Luís Pena:
"Hoje, tal como defendia o Zeca, já em 1963, é preciso enfrentar os Vampiros que “comem tudo e não deixam nada”, opormo-nos a um modelo de sociedade que nos oprime e que “é imposta aos jovens de hoje, teleguiada de longe por qualquer FMI, por qualquer deus banqueiro” por uma Troika sem qualquer legitimidade democrática, cuja politica cega de austeridade empobreceu o país e que foi, pasme-se, recentemente criticada pelo presidente da Comissão Europeia, o senhor Junkers.
José Afonso defendeu dois ideais fundamentais: a liberdade e a justiça social.
O primeiro ele pôde realizá-lo ao cantar sem ter a Pide à espreita…
O segundo, infelizmente, está por alcançar e daí as suas canções continuarem actuais.   
- Que canção cantaria Ele hoje, se fosse vivo, sobre a corrupção e as gritantes desigualdades sociais que assolam este país?
- Que canção cantaria Ele hoje, se fosse vivo, sobre o patobravismo e chico-espertismo que destruiu a paisagem do litoral português?
-Que canção cantaria Ele hoje, se fosse vivo, sobre a emigração dos jovens?
-Que canção cantaria Ele, se fosse vivo, sobre a Troika e a servil submissão de Portugal à Alemanha?
- Tantos temas e canções que tinhas para nos cantar…
O Zeca está entre nós, com os seus sonhos e denúncias, com a sua imensa autenticidade e generosidade.
Obrigado, Zeca, pelas tuas canções, pelas tuas mensagens e, sobretudo, pela tua Dignidade! 
Um abraço,
Luís Pena"

2 comentários:

A Arte de Furtar disse...

Sugestão:

"Os eunucos devoram-se a si mesmos
Não mudam de uniforme, são venais
E quando os mais são feitos em torresmos

Defendem os tiranos contra os pais
Em tudo são verdugos mais ou menos
No jardim dos haréns os principais
E quando os mais são feitos em torresmos

Não matam os tiranos pedem mais
Suportam toda a dor na calmaria
Da olímpica visão dos samurais
Havia um dono a mais na satrapia
Mas foi lançado à cova dos chacais

Em vénias malabares à luz do dia
Lambuzam da saliva os maiorais
E quando os mais são feitos em fatias
Não matam os tiranos pedem mais."

Os eunucos
(José Afonso)

Anónimo disse...

A LIBERDADE TAMBÉM TEM DE PASSAR POR AQUI...