Sou o senhor de meu destino; Sou o capitão de minha alma.” William Ernest Henley

sábado, 14 de fevereiro de 2015

a outra margem

«A corrente era forte, mas na outra margem havia pássaros, toiros bravos a pastar e valados desconhecidos. À noite, esperava-o a tareia do costume, em vez de ceia, e na manhã seguinte regressava ao telhal pelas orelhas.» 

 Soeiro Pereira Gomes, Esteiros (1941)

Sem comentários: