Ernest Hemingway: «Um homem pode ser destruído mas não vencido.»

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

A dignidade e os partidos de que eu conheço o funcionamento – naturalmente, os da Figueira...

Numa cidade que pouco depois do 25 de Abril - o de 74 - sempre teve no poder gente lá colocada democraticamente, por um povo  que se habituou a viver numa sociedade amorfa e acrítica, a elite dominante aproveitou para sobreviver estes cerca de 40 anos no meio da indiferença quase geral...
Dignidade não enche barriga. Ponto.
Dignidade não existe, não se quer ter e existe raiva de quem a tenha ou alguma vez teve, como alguns desses pacóvios dos nossos antepassados (a história os varra e o passado os descarregue numa qualquer lixeira da memória...)
Hoje em dia o que vale e conta é a falta de dignidade. E, quanto mais indigna e infame, melhor.
A indignidade, é que dá lugares, tachos, euros  e garante carreiras e ascenções na vida política local.
A dignidade é para os palermas, os tolos, os tristes ou os otários....
Armar ao digno, na vida política, é meio caminho andado a nunca passar de um miserável passa fome... 

Sem comentários: