quarta-feira, 12 de abril de 2017

Politicamente falando, não me parece que Passos vá ter uma Páscoa Feliz...

"Carga fiscal, saldo estrutural e medidas extraordinárias: Teodora abandona Passos".

NÃO. NÃO. E NÃO.

Imagem sacada daqui
A importância das pequenas coisas...

DUNAS DO CABEDELO: PUBILICIDADE ENGANOSA OU O SEGREDO É A ALMA DO NEGÓCIO?..

O direito à informação é um direito do cidadão português.
Mesmo numa obra particular, é obrigatória a plubicitação da informação que permita ao vizinho ir saber se não irá  ser prejudicado com a "nossa" obra.
Se é assim para os particulares, por maioria de razão, é assim para as obras públicas.
Numa sociedade democrática  têm de se ter assegurado o exercício de direitos enquanto cidadãos. Numa palavra, todos temos o  direito à cidadania.
Na foto, reparando na placa da esquerda, que já lá está há mais de um ano, e na placa da direita, verificamos facilmente o que falta numa delas - neste caso, na da esquerda.
Nome do dono da obra. Nome da obra. Nome do empreteiro e do responsável. Valor da obra. Data do início da obra. O progama de financiamento. O valor comparticipado. Prazo de execução. Informações (número de telefone e mail para entrar em contacto com o dono da obra).
Nota final.
Senhores "quens": de direito, isto tem regras.
Ou já não será assim?..

Hotelaria figueirense vive de "milagres"'?..

Há muito que as unidades hoteleiras mais próxima do santuário de Fátima não têm capacidade de resposta para tantos visitantes, obrigando-os a alargar a pesquisa a outras regiões. 
"Abençoada seja a visita do Papa!", exclama a hotelaria figueirense. 
Ontem, segundo o jornal As Beiras, "a taxa de reservas rondava os 80 por cento." Contudo, Jorge Simões, vice-presidente da Associação Comercial e Industrial da Figueira da Foz  para o turismo, confia "que se caminha para os 100 por cento de ocupação."
A visita de Francisco realiza-se em maio, um “milagre” fora de época para a hotelaria da Figueira da Foz.  “Evidentemente que a vinda do Papa acaba por se reflectir nos resultados do mês, porque é algo que não acontece todos os anos”, reconhece Jorge Simões, também ele empresário do ramo hoteleiro.
E quando a procura supera a oferta, já se sabe que os preços  sobem. 
A taxa de ocupação, ontem, situava-se nos 80 por cento. “Em relação ao ano passado, os hotéis de quatro estrelas subiram ligeiramente os preços para a semana da Páscoa”, revelou aquele dirigente da ACIFF. Mas nada que se compare com aqueles que estão a ser praticados no RFM Somnii - O Maior Sunset de Sempre, na segunda semana de julho. Para o “Sunset”, que coincide com a época alta, restam poucos quartos livres. Aplicando a citada regra do mercado, a oferta subiu para um nível a que poucos podem ou querem aceder: há quem esteja a pedir cerca de 300 euros por quarto. “Já há poucos quartos disponíveis. Praticamente, já só se encontram no Alojamento Local”, confirmou Jorge Simões. 
A hotelaria local tem capacidade para cerca de 2500 camas. 

"Grupos de cidadãos"...

... uma crónica de Daniel Santos, engenheiro civil, hoje no jornal AS BEIRAS.
"Afinal o que é um independente? 
De acordo com o dicionário, é aquele que não está filiado num partido político. 
O mesmo dicionário também lhe atribui o significado de autónomo, que revela independência, livre. Livre! Foi o facto de cada vez mais independentes se arriscarem, em nome de valores e princípios, a proporem-se conduzir os destinos das suas terras que levou Maria Antónia Almeida do ISCTE a elaborar um estudo sobre “Grupos de Cidadãos nas autarquias (GCE): contributo para a prática da cidadania e para a qualidade da democracia?” 
E que concluiu o estudo? Pois que, quando há listas de independentes, reduz-se a abstenção e aumenta a transparência. E ainda, que, desde 2001, primeiro ano em que concorreram independentes, até às eleições de 2013, o número de eleitos aumentou de 31 para 112. Até 2009, dos 16 presidentes de Câmara eleitos nestas condições, 12 tinham “percurso partidário prévio”, ou sejam, deixaram de se rever no comportamento do grupo de que provinham. Só os cidadãos amorfos e completamente desinformados são independentes de valores e princípios. 
A independência dos cidadãos em relação aos partidos tem a ver com o comportamento destes e os independentes não são, como concluiu na Figueira a secretária-geral adjunta do Partido Socialista, “o maior atentado à democracia e à cidadania, porque o único objetivo que os move é enfraquecer os partidos.” 
Não seria melhor corrigir o que se passa dentro da sua casa?"

Nota de rodapé.
"Este gosto de reparar..."

Vamos então continuar a discutir o PDM ... (27)

Alguma vez O Caralhete haveria de ter razão!..
Como vêm não sou caprichoso, nem mimado, nem faço birras, nem quero e depois não quero... 
Sei o que quero, portanto... 
O Caralhete sabe que tem razão muito mais vezes. Porém, O Caralhete tem uma paciência  invejável. 
E eu não. 
Talvez, por isso, alguns achem O Caralhete estranho.
Bom, tudo isto para dizer que, desta vez, O Caralhete voltou a ter razão.
É certo que ao O Caralhete custa sempre criticar negativamente. Aquilo que O Caralhete gostava mais era de poder elogiar e enaltecer os políticos do mundo, do seu país e do seu concelho. 
Custa-lhe, cada vez mais, escrever aquilo para que o OUTRA MARGEM serve: alertar para a verdade.

Agora falo eu.
Deixar de escrever este blogue, até porque não tenho grande criatividade, seria o melhor para mim e para muitos. Mas, acontece que ainda não tenho cansaço.
Raios ma partam, mas continuo com jeito e força  para levar projectos adiante. Talvez seja, porque a vida me corre bem - sem ser muito bem. Talvez seja, também porque já devia ter idade para ter juízo -  e ainda não consegui. Talvez seja,  porque noto que parece que tenho  leitores que gostam dos "mimos" que dou a quem, nos últimos quase 8 anos, tratou tão mal da Figueira e do concelho - e são cada vez mais. Talvez seja, também, porque tenho necessidade de me divertir - e cada vez mais
Sou, de facto, exigente, resiliente, determinado e caprichoso.
Sinto que não estou sozinho. Se assim não fosse, também não deixaria de escrever - mas não seria a mesma coisa...
Hoje, sem razão aparente, sinto-me particularmente doce. 
Vou parar por aqui, pois posso dar a imagem de que tenho doçura suficiente para mimar o mundo inteiro. 
A propósito: alguém quer miminhos?..

A minha vida foi sempre assim: fui sempre eu quem a decidiu.
Não sei se isso me distingue de alguém.
Sei, isso sim, que vivo num mundo igual ao de todos. 
Mas não tenho uma vida igual à de ninguém. Disponho das mesmas capacidades que muitos, menos que muitos e mais do que uma minoria. 
Lá por haver quem tenha uma  côr dos olhos mais afinada que a minha, não quer dizer que veja melhor que eu. 
Somos, à partida, todos iguais. A diferença não existe. 
Existe a emoção, a razão - a perdição. 
Eu cedo, de forma diferente, a cada uma delas. 
Há quem prefira tentar perceber e ter explicação para os sentimentos...
Porém, para mim, amor, não se explica, sente-se.
Prefiro ter exlicações para a razão. 
No fundo, todos somos fracos. No fundo, acabamos por nos perder todos. 
Todos: uns por amor. Outros sem razão.
De vez em quando, é bom que saibamos que temos razão: obrigado Paulo Pinto.

... e dizem os entendidos, que tamanho não é problema! Antes pelo contrário, ajuda... E muito...