.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

quinta-feira, 28 de maio de 2020

Obras na Figueira: como vamos?..

Via Diário as Beiras, edição de hoje:
"O empreiteiro que realizou a requalificação da frente marítima de Buarcos recorreu ao tribunal para reclamar 159 mil euros à câmara, verba que a autarquia considera que não tem de pagar, por entender que não lhe podem ser imputadas as razões que originaram a ação judicial, daí não ter havido acordo extrajudicial. O construtor invocou o reequilíbrio financeiro da empreitada, sustentando que se prolongou para além do prazo previsto devido a ações do dono da obra. No decurso da empreitada, a autarquia procedeu a várias alterações ao projeto. 

 De resto, é o mesmo o empreiteiro que está a requalificar o Cabedelo, que também já regista atrasos devido às negociações com os concessionários que tiveram de abdicar ou deslocalizar os seus espaços."


Em Buarcos, "a autarquia procedeu a várias alterações ao projecto"!.. Se bem me lembro, "a primeira fase da obra de requalificação urbana da frente marítima de Buarcos tinha um prazo de execução de 12 meses, iniciou-se em junho de 2018 e representava um investimento de cerca de 1,4 milhões de euros."
No Cabedelo, quem é que deveria ter chegado a acordo com os concessionários que tinham de deslocalizar os seus espaços, antes de começar a obra?
A meu ver: o dono da obra. Que o mesmo é dizer, a Câmara Municipal da Figueira da Foz.
Quem me conhece bem (poucos...), sabe que posso estar rodeado de gente que faz asneiras, que consigo distanciar-me e permanecer no foco.
Fica a pergunta: nos últimos anos, houve alguma obra da Câmara Municipal da Figueira da Foz que tenha corrido nos prazos previstos e que não tenha tido derrapagem financeira?
Recordo o que escrevi ontem neste blogue.
"Os políticos encheram o concelho de lugares deprimentes. Assim de repente, recordo-me da baixa da Figueira (em obras que nunca acabam), Buarcos (depois das últimas obras), o Bento Pessoa (em obras que nunca mais acabam), a chamada praça do Forte (que não tem manutenção depois das obras, e está a ficar descaratizada, feia e suja), o Paço de Maiorca (cujas trapalhadas nos vão custar os olhos da cara), o Edifício o Trabalho (uma telenovela cujo fim ninguém consegue prever) e muitos mais. Entre eles, a outrora Praia da Claridade (hoje, praia da calamidade). A Figueira, há muito que deixou de ser a Rainha das praias de Portugal dos postais antigos, que quer continuar a vender."

Sem comentários: