"Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha." - Confúcio

domingo, 24 de maio de 2020

O poder da ficção, ao serviço do poder exercido como encenação...

Esta avenida, ontem, esteve fechada ao trânsito automóvel. 
"Os automóveis contagiam? Se fecham a estrada é porque não me querem lá. Logo, vou para outro lado. Adeus, Figueira".
Mário Martins, cidadão de Coimbra.

Nunca soubemos tanto e com tanto detalhe - nomeadamente, quem são os protagonistas e a  substância -, de uma aldeia, de uma vila, de uma cidade, de um concelho, de um país e do mundo, como agora. Mas, a realidade é que não obstante o nível de exposição, a que também o poder local na Figueira está sujeito (até há transmissões directas das sessões camarárias), o acesso a esta e a outras informações não derrotam a capacidade de encenação de quem está no poder.
Temos de tudo, desde as estratégias mais toscas às mais elaboradas. O que está sempre em causa é a imposição da vontade da maioria, como projecto político hegemónico, mesmo que isso seja implementado contrariando o desenvolvimento do concelho. 

O objectivo final é sempre o mesmo: atingir quem ousar dar livremente a sua opinião. Mas este não é um problema de 2020, nem desta gestão socialista. Na Figueira, entre 1997 e 2009, com o PSD no poder foi a mesma coisa. 
Sempre vi o poder local na Figueira da mesma maneira: arrrogante, hegemónico (com tiques a roçar o ditatorial) e a tentar humilhar quem lhe faz frente.
O PS como o maior partido do poder local, tem  uma boa camada de militantes e políticos. Como é óbvio, numa floresta tão densa existem algumas árvores infectadas que comprometem a qualidade da saúde do conjunto, permitindo que à  sombra do partido e do seu papel na sociedade figueirense, venham à tona alguns que pensam que não vai haver prestação de contas. O que não é positivo nem saudável para a democracia, nem para Figueira.

Todos os partidos no poder - seja local ou governamental - acabam por criar uma base clientelar. Como poderia ser combatido isso? Com políticas partidárias internas de transparência e de combate a situações de eternização de benesses partidárias. Só que isso acabaria por arredar o partido do poder do poder...
A alternância democrática, se funcionasse,  afastaria dos Paços do Município figueirense gente que teria de trabalhar a sério para pagar as suas contas. Mas, o que temos tido são períodos prolongados de poder. Primeiro o PS, depois o PSD e, agora, de novo o PS.

Para mudar já a Figueira exige-se um escrutínio  mais atento. Mas como fazê-lo?  A Figueira é uma cidade e uma sociedade pouco exigente no que à qualidade da democracia diz respeito, pelo que a maioria dos políticos (alguns até da oposição...)  considera natural o que se está a passar - que é algo que já ultrapassou o limiar do bom senso democrático.
Na Figueira, a realidade ultrapassou a ficção. Resta o resto. 
Querem saber o que é o resto? O resto é teatro. 
E o teatro é aquilo que deve ser: a sabotagem de todas as tentativas de chegarmos à realidade.

Sem comentários: