.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

sexta-feira, 23 de agosto de 2019

Algo tarda em mudar...

Via Diário as Beiras

imagem sacada daqui
«Cerca de uma dúzia de comerciantes da rua dos Combatentes da Grande Guerra e da Rua da Restauração estão a reunir elementos para apresentarem um pedido de indemnização à câmara, pelos prejuízos provocados pelas obras que decorrem na Baixa da cidade. 
Se a autarquia não atender às suas reivindicações, optarão pela via da justiça.
Um dos comerciantes afectados pela lentidão e os atrasos da empreitada afirmou ao jornal que a facturação do seu estabelecimento desceu cerca de 40 por cento, admitindo que noutros espaços comerciais os prejuízos possam ser ainda mais elevados.
Se apresentarem motivos e se for legal, cumpriremos aquilo a que a lei nos obriga”, garantiu o presidente da câmara, Carlos Monteiro. O autarca, que na passada quarta-feira visitou a zona das obras, lembrou, por outro lado, que o actual empreiteiro deverá, nos próximos dias, ser substituído por outra empresa, ao abrigo da cessão do contrato. 
A proposta deverá ser apresentada na próxima reunião de câmara, no dia 7 de setembro»

Lentamente, muito lentamente, algo parece estar a mudar na nossa cidade. 
Nos últimos meses, é cada vez mais preocupante a situação política e social na Figueira.
Preocupante, porque cada vez mais figueirenses estão a perder o receio de mostrar a verdadeira "cara" do poder e da parte da oposição "tenrinha, maneirinha e meiguinha."
A sua forma de fazer política está cada vez mais visível. Este caminho leva apenas à desacreditação dos órgãos que deveriam ser o garante da democracia na Figueira. A prepotência do poder, só serve para preencher o vácuo de ideias ou para tentar dissimular os erros do passado recente.
Urge aparecer na Figueira uma dinâmica renovadora, onde seja possível a emissão de opinião e um sentido cívico mais apurado e crítico por parte dos cidadãos.
Existe um enorme potencial no concelho. O pouco património natural que nos resta tem de ser preservado, tendo em conta a promoção, desenvolvimento e aproveitamento das capacidades proporcionadas pelos nichos de mercado existentes para a construção de um futuro melhor, onde o bem-estar social possa ser atingido, sem excepções.
Passados 10 da reconquista do poder na Figueira pelo PS, via João Ataíde, não há nada para celebrar e muito para lamentar.
É esta a realidade de um município presidido pelo dr. Carlos Monteiro, a única pessoa que faz parte da equipa que preside aos destinos da Figueira da Foz, desde a primeira hora - já lá vão quase 10 anos - que esta gente chegou ao poder, depois dos anos da desgraça anterior, protagonizada pelo PSD.

E de desgraça em desgraça, lá vamos andando. Por aqui, há muito que não há nada para celebrar, antes pelo contrário: na Figueira da Foz, infelizmente, todos os dias do ano são dias para lamentar. 
Nada do que está a acontecer com as obras de requalificação do núcleo antigo da Figueira da Foz, foi por acaso: este é um dos exemplos, visíveis e palpáveis, "da forma como é dirigido o concelho - sem estratégia, sem auscultação das populações, sem a preocupação de melhorar a vida das pessoas, sem criar atractivos para os empresários instalados ou que se queiram instalar com vista à criação de emprego, o qual tanta falta faz aos nossos jovens, não promovendo também a consequente fixação de mais população no nosso concelho".
E já lá vão quase 10 anos...

Sem comentários: