.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

sábado, 23 de fevereiro de 2019

"Meu Largo das Alminhas"...



Video via João Manuel Fidalgo Pimentel

Não consigo compreender quem diz que pode viver em qualquer lugar....
A Cova e Gala de há 50 anos, não era bela nem tinha uma qualidade de vida invejável. Mas tinha outra coisa, não menos importante, a sua história.
Era "uma pequena aldeia de 2.500 habitantes, localizada à beira do Atlântico, perto da importante cidade balnear da Figueira da Foz (Portugal), onde se vive pior que nas localidades vizinhas: a ausência de esgotos, a corrente eléctrica considerada uma excepção, a miséria material, as condições de trabalho desumanas, a deterioração das células familiares, a má nutrição é, lamentavelmente, a situação de toda uma região economicamente desfavorecida".
O Largo das Alminhas teve o aspecto que o video mostra até quase à década de 90 do século passado. Lembro-me, decorria o ano de 1986, tinha acabado de tomar posse como membro do primeiro executivo da junta de freguesia de S. Pedro, que das primeiras coisas que pedimos ao então presidente da câmara municipal da Figueira da Foz, engº Aguiar de Carvalho, foi que viesse visitar-nos.
Percorreu, a pé, a Cova e Gala. No Largo das Alminhas ficou horrorizado com o que viu. Aquele espaço, na altura, há pouco mais de 30 anos, parecia um zona do médio oriente, em guerra. Foi essa visita o ponto de viragem para o agradável espaço público dos dias de hoje.
Muito mais poderia estar feito. Mas, a independência tem sempre o seu preço...
Em política, quem opta pelo  deserto, que é sempre a  terra-de-ninguém, sujeita-se a  levar porrada de todos os lados.
Porém, sempre me deu gozo desmascarar os hipócitas e a hipocrisia.
Neste dia, em que passam 32 anos sobre o desaparecimento de Zeca Afonso, cada vez o admiro por me ter ensinado o caminho para sermos nós próprios o nosso "comité central"...

Sem comentários: