.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Efeméride

Constituição da primeira Assembleia de Freguesia de São Pedro
A partir da esquerda:  Rui Moura, António Agostinho, Manuel Capote, Francisco Curado, Domingos Laureano, Carlos Lima, António Russo, Manuel Rodrigues, Carlos Azevedo





para ver melhor clicar nas imagens

Todas estas fotos têm 25  anos. Algumas destas pessoas já não estão entre nós.
Decorrido um quarto de século, recordo o que foi, para mim, navegar na política, durante 4 anos, num mar completamente desconhecido, encapelado e bravio, numa pequena embarcação completamente desprotegida e descoberta.
Recordo as noites e dias em que tivemos de remar contra ventos, marés e obstáculos de toda a ordem e a pequena embarcação descoberta e frágil, parecia que não se mexia, como se o fundo lodoso a mantivesse presa.
Recordo o calor, o vento, a secura, umas vezes. Outras, recordo a falta de meios de toda a ordem, que obrigaram a baldeações constantes para manter a pequena embarcação, totalmente descoberta, a navegar, muitas vezes somente com um remo à popa...
Recordo os momentos complicados e difíceis porque passámos, que nunca nos desanimaram.
Recordo uma grande realização: logo no primeiro mandato, ter-se conseguido construir o edifício sede da Junta de Freguesia.
É da mais elementar justiça recordar que, isso, só foi possível, porque o primeiro Presidente da junta de Freguesia de São Pedro se chamou Domingos São Marcos Laureano.
Recordo, sobretudo, a frescura, a força, o entusiasmo da juventude, o voluntarismo que eu, então, tinha para dar e vender. Recordo a teimosia e a determinação, que nos permitiu sobreviver ao mar encapelado, bravio e traiçoeiro, ao céu que, por vezes, parecia que nos ia cair em cima e, também, aos homens e mulheres desta Terra, que é a minha, que não faziam a mínima ideia das dificuldades quotidianas vividas por quem estava a ser o sujeito da história de uma realidade nova para todos covagalenses - eleitos e eleitores.
Recordo o optimismo, que nos levou às alegrias, mas que nos ajudou igualmente a enfrentar os perigos e as armadilhas.
Recordo que para andar em frente, tínhamos a convicção triunfante de termos a força da razão e da vida, tudo numa mão cheia de nada e outra de coisa nenhuma.
Recordo a memória do engº. Aguiar de Carvalho, o Presidente da Câmara da Figueira da Foz, nesse já distante ano de 1986, com o qual sempre mantivemos um diálogo colaborante, sereno e profícuo, apesar da escassez de recursos que, na altura, também já existiam na Figueira...
Recordo, finalmente, acima de tudo, 4 anos da minha vida que valeram a pena.

Sem comentários: