.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Balanço pessoal da reunião da Assembleia de Freguesia de S. Pedro, realizada ontem à noite e que lotou o Desportivo Clube Marítimo da Gala

Os filmes de terror nunca me assustaram. Tenho medo, mesmo, tal como previa, antes da reunião, é dos romances...

Em tempo.
Falemos do Centro de Saúde de Lavos...
Comecemos pelo início. A construção do Centro de Saúde de Lavos foi uma obra prioritária para o presidente Ataíde.
Na sua perspectiva, com a construção do Centro de Saúde de Lavos tanto as populações a norte do concelho como a sul teriam acesso a cuidados primários de saúde. 

A obra surgiu de uma parceria entre o Município, a ARS Centro e a Junta de Freguesia de Lavos, que originou a candidatura a fundos comunitários. A construção e equipamento custou cerca de € 640.000,00 (seiscentos e quarenta mil euros) e teve uma comparticipação de 85% de fundos comunitários.
É um espaço com 8 gabinetes, salas de apoio, sala de espera, que servirá cerca de 6 000 pessoas.
Ora, se Lavos não tem 6 000 mil utentes, ainda não conseguiram ver onde quem assinou e assumiu os compromissos e as exigências explícitas nesses protocolos - Câmara Municipal da Figueira da Foz - tem de vir arranjá-los?..

A legislação prevê a exigência de uma cada vez maior intervenção dos municípios nas áreas sociais e da saúde, nomeadamente competências ao nível de participação e planeamento, construção, manutenção e apoio a centros de saúde.
Foi o que aconteceu. Desde o lançamento da primeira pedra do CENTRO DE SAÚDE LAVOS que o POSTO (e não CENTRO, como foi dito erradamente na assembleia de freguesia, tanto pelo presidente da junta, como pelo presidente da assembleia...) MÉDICO DA COVA E GALA, tinha o destino traçado...  
Portanto, foi com a participação  do nosso município, operativa ao nível de planeamento da rede de equipamentos de saúde e na definição das políticas e acções de saúde pública na margem sul do Mondego, que foi delineada a  oferta para a satisfação das necessidades das populações das freguesias de S. Pedro, Lavos, Paião, Alqueidão e Marinha das Ondas.
Presumo que o senhor presidente da junta de freguesia e todos os autarcas da Cova e Gala sabem isto...

Duas notas finais.
Insinuar culpas ao funcionário do posto médico da Cova e Gala (que está sujeito ao sigilo profissional), foi um golpe de baixo nível para um político, que preconiza e apela à união de todos na defesa da manutenção de um equipamento que nos foi legado pelo fascismo e a democracia está a colocar em causa.

Vamos esperar que S. Pedro faça um milagre e que o próximo 25 de Abril nos traga algo de positivo: a manutenção daquilo que temos há 60 anos - o nosso excelente, funcional e acessível Posto de Saúde da Cova e Gala.

1 comentário:

Rui Monteiro disse...

E continuo a perguntar: Qual é a estratégia do PPD para recuperar a Câmara?
O que fizeram o que disseram os autarcas eleitos pelo PPD?
Onde anda Miguel Almeida?
A reconquista da Câmara começa a ser uma miragem.