.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

"Que país de merda"! (III)

Crónica publicada
 no jornal AS BEIRAS
"Na última reunião de câmara, durante o debate sobre o naufrágio do “Olívia Ribau”, ficámos a saber que o Serviço Municipal de Proteção Civil (SMPC) não se reúne há cerca de dois anos, o que é manifestamente inaceitável. É certo que não se pode dizer que a responsabilidade pelo falhanço das operações de salvamento tenha sido da protecção civil, porque o salvamento, nesta área, está confiado à Autoridade Marítima. Mas não é menos verdade que, se o SMPC reunisse com a periodicidade que se exige, já se tinha dado conta da inexistência de um plano de emergência da barra da Figueira da Foz e da necessidade de uma efectiva articulação com todos os agentes municipais de socorro e a Autoridade Marítima. Esperemos, pois, que pelo menos os inquéritos que estão em curso sejam céleres.  O que ainda não foi alvo de inquérito, e devia ser, é a responsabilidade do Estado quanto à condição a que a barra chegou. Como já aqui tinha escrito, o problema não está no prolongamento do molhe norte, mas sim nas suas consequências, que eram aliás conhecidas.  Quem não soube eliminar ou mitigar os impactos negativos que estavam inscritos no estudo de impacto ambiental deve ser responsabilizado. Entendo, pois, que o município deve accionar o Estado judicialmente. É preciso agir para que não haja mais tragédias. Só nos últimos três anos é já o terceiro acidente mortal que ali acontece. Esperemos que sejam tomadas as devidas medidas de prevenção para que a cidade não volte a acordar durante três dias com a bandeira a meia haste."

Em tempo.
1 - "Pescador do naufrágio da Figueira poderia ter sido salvo com socorro rápido". 
2 - Toda a gente que conheça um pouco sobre o mar, sabe que aqueles 400 metros que acrescentaram ao molhe norte - a tal OBRA MADRASTA - tornaram a barra da Figueira na pior entrada e saída de um porto do País utilizado por barcos de  pescadores. 
E porquê?... 
Porque, com os molhes tal como estavam em 1996, os barcos para entrarem ou saírem da barra, faziam-no enfrentando o mar pela popa ou pela proa, ao passo que, com o prolongamento do molhe em direcção ao sul, têm forçosamente que se atravessar ao mar, o que é um risco muito grande... 
Tal como Manuel Pata, pergunto-me... 
"Quantos vivem do mar, sem o conhecer?"

Sem comentários: