.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Esta nossa barra: uma preocupação de sempre na minha vida...

Mais tarde ou mais cedo tudo acaba por se saber.
Nada ficará por esclarecer. 
Por mais que se queira encobrir ou dissimular a realidade, vem sempre o tempo em que a verdade se torna clara e exacta.
Isto, porque o que é verdadeiro, já antes aparecia como evidente, mas capsulado num jogo de interesses que só engana quem é tolo ou finge que não quer ver.
Toda a gente sabe que não se deve mexer na forma natural do litoral, sem precaver as consequências.
Como todos sabemos, isso nunca aconteceu com a barra da Figueira. 
Pergunto a quem de direito, se foi assim, de modo "anti-científico" que tudo se passou,  e a quem, nesta altura, se podem pedir responsabilidades por tudo o que tem acontecido, tanto na barra da nossa cidade, como no litoral, a sul da foz do Mondego. 
Fale-se então dos molhes, já que eles estão atravessados na vida das pessoas e no equilíbrio da região, sem que, até ao momento, se assuma o que eles atacam, prejudicam ou perturbam a vida das pessoas. 
Isto é, aquilo que eles continuam a afectar e a destruir.
A Figueira, desde que me recordo, encontra-se à mercê de meia dúzia de empregadores, alguns dos quais enricaram como intermediários ou como jogadores. 
Pouco têm a ver com o trabalho - salvo no que respeita à  exploração.
Portanto, nada perturba esta gente, salvo o que pode prejudicar o negócio. Ou, precisando, os negócios dos seus homens de negócios.
Que importância tem para quem não trabalha ou não produz mais do que as pessoais contas dos seus lucros, as verdadeiras condições e a realidade em que um pescador é obrigado a desenvolver a sua actividade numa barra como a da Figueira? 

Quando em 1977, já por má influência dos molhes,  a Cova esteve quase a ser invadida pelo mar, quem é nos acudiu para além dos militares da Figueira?
Quem é que esteve verdadeiramente preocupado para além dos habitantes da Cova que, na altura, sentiram, por assim dizer, os pés molhados?
Por isso, a mim, quando toca a assuntos do mar, ninguém me ameace com processos em tribunal
Os poderes - e os jornalistas são um poder e em vez de conviver alegremente com o poder - têm a obrigação de pensar no que pode acontecer se se modifica a forma do litoral sem prever as respectivas consequências.
Ao contrário do que dizem, por ignorância pura e dura, os meus detractores, eu tenho passado, uma vida, uma experiência e uma vivência, que é a maior e a única riqueza de que sou dono.
As imagens acima mostram que, mesmo como jornalista, assumi ser sempre uma voz emprestada ao Povo, no sentido de procurar dar a conhecer os problemas vividos e sentidos, por exemplo, pelos pescadores. 
Foi assim, que no desempenho da minha função de jornalista em Janeiro de 1980 embarquei a bordo de uma pequena embarcação de pesca artesanal- o "Tó Cesar" -  e escrevi a reportagem que foi publicada na edição nº. 107 do jornal Barca Nova, cuja publicação data de 1 de fevereiro de 1980.
Quem tiver dúvidas leia. As imagens podem ser ampliadas. Basta clicar em cima.

Em tempo.
Ainda há quem se lembre do meu passado.

1 comentário:

Anónimo disse...

É assim mesmo. Jornalismo de qualidade é isto mesmo: reportagem.
Hoje, temos pés de microfone que se limitam a ampliar o que os poderes dizem. Sem pudor e sem respeito pela sua nobre profissão.
Limitam-se a ser uns prostitutos e uns abutres.
Isto, claro, ressalvando as devidas excepções, infelizmente cada vez mais raras.
Um abraço

Rui Soares