terça-feira, 18 de março de 2014

A propósito do Dia Mundial da Poesia

imagem sacada daqui
O Dia Mundial da Poesia, que celebra a diversidade do diálogo, a livre criação de ideias através das palavras, criatividade e inovação, aproxima-se: será no próximo dia 21 do corrente mês de março
A crónica de hoje de António Tavares, poeta e  escritor e, também, vereador PS, certamente por via disso, aborda o tema.
“A poesia move mundos, encanta e mobiliza os homens; é raiz de revoluções e cântico de utopia e sonho. Com a verborreia disparatada que para aí vai, faz bem ouvir os nossos poetas, percebendo nos seus versos o resgate a alguma estupidez humana”, escreve ele.
Deixo-vos com um texto, não do Rui Feteira (esse podem lê-lo na crónica de hoje do vereador PS no jornal AS BEIRAS), mas do Agostinho da Silva, pois na minha modesta opinião, a descoberta da sua obra (e da sua vida, por  parte em especial da juventude) seria um bom augúrio para os exaltantes tempos de mudança que estamos a viver.
“A única salvação do que é diferente é ser diferente até o fim, com todo o valor, todo o vigor e toda a rija impassibilidade; tomar as atitudes que ninguém toma e usar os meios de que ninguém usa; não ceder a pressões, nem aos afagos, nem às ternuras, nem aos rancores; ser ele; não quebrar as leis eternas, as não-escritas, ante a lei passageira ou os caprichos do momento; no fim de todas as batalhas — batalhas para os outros, não para ele, que as percebe — há-de provocar o respeito e dominar as lembranças; teve a coragem de ser cão entre as ovelhas; nunca baliu; e elas um dia hão-de reconhecer que foi ele o mais forte e as soube em qualquer tempo defender dos ataques dos lobos.”

2 comentários:

Anónimo disse...

Não percebi!. Considera-se ovelha ou lobo?

Antonio Agostinho disse...

... gostava de responder, mas não consigo dialogar com cobardolas.