"Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha." - Confúcio

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Ontem, perdi o vice Vara na televisão


Não vi, ontem na televisão, o vice Vara.

Mas, hoje, já tive hipótese de ver a conversa pública com Judite de Sousa. Bastou clicar aqui.

Mas, antes li este post, que aconselho, pois “quando os jornais, no século XIX, substituíram o púlpito, dizia-se que conquistar o poder era conquistar a palavra. Desde Kennedy que entrámos em mediacracia mais videopoderosa. Política já não é apenas o que parece, mas a percepção do homem comum sobre o que aparece e que pode não ser o que é previamente ensaiado pelas agências de comunicação.

Aqui e agora, o situacionismo dos vários estados a que chegámos, sobretudo o dos micro-autoritarismos sub-estatais, já não teme os opositores rotativistas, os tais que podem tornar-se convivas da alternância na gamela. Apenas odeia os dissidentes que não se transformam na oposição que lhes convém e que não se confundem com os tradicionais inimigos da democracia.

O importante, em Portugal, não é ser ministro, é tê-lo sido. Sobretudo, quando ainda têm colegas no poleiro.

Sempre podem ser um importante elemento de consultadoria e pressão, por causa dos meandros da mesa do orçamento. E, entre um grupo empresarial de obras públicas e um estabelecimento de ensino, pouca é a diferença de pecado, na privatização já não clandestina do que deveria ser público.”

Depois de ver a entrevista dada à Judite e de ler "um belo retrato sociológico deste modelo de redes banco-burocráticas e uma notável defesa da reedição do antigo guia das ruas de Lisboa, para quem não tem GPS", não me peçam para concluir nada. É que estamos num País em que existem pessoas que nem sequer acreditam em Deus!..

Sem comentários: