quarta-feira, 19 de julho de 2017

Recordando Aristides de Sousa Mendes

Passam hoje 132 anos, nascia em Cabanas do Viriato, distrito de Viseu, Aristides de Sousa Mendes.
Todos sabemos a sua história de vida, o seu exemplo de humanismo e o importante papel que desempenhou durante a II Guerra Mundial, no auxílio a milhares de refugiados.  
Desobedeceu ao Estado, foi proscrito, mas salvou da morte muitos milhares de refugiados.
Um exemplo raro de  defesa dos direitos humanos.
Largas dezenas de anos decorridos, não aprendemos nada com portugueses dignos, como Aristides de Sousa Mendes, que nos deviam servir de guia e exemplo.
Pelo contrário. A realidade mostra que a alma de certos portugueses facilmente se deixa inebriar pelo discurso xenófobo, populista e racista.
Todos sabemos, "que há centenas de portugueses que sentem prazer a atear fogos florestais, como sucedeu na Madeira, onde morreram pessoas."
Todos sabemos, "que há polícias graduados de boas famílias,  que parecem ser cidadãos exemplares, que agridem brutalmente um pacato cidadão à frente do filho e depois falsificam os autos, para que o cidadão agredido ainda tenha de responder por crimes que não cometeu."
Todos sabemos, "que há portugueses branquinhos como a cal da parede, que são donos de restaurantes e não se importam de servir refeições feitas com produtos sem condições."
Todos sabemos, "que há muitas dezenas de milhares de portugueses que todos os dias roubam, recebem o IVA que os seus clientes lhe entregam ao seu cuidado e, em vez de o entregarem ao Estado, ficam com ele, o dinheiro que deveria ser investido em cuidados de saúde ou com outros fins onde os recursos são escassos, serve para comprar mais um carro ou para as férias."
Todos sabemos, "que há esquadras inteiras que fazem orgias de torturas e agressões, no fim a graduada lava o chão bem lavadinho, chama a ambulância e tudo cai no esquecimento."
Todos sabemos, "que há centenas de milhares de portugueses que não descontaram nada para a Segurança Social e recebem uma pensão de sobrevivência de montante equivalente ou superior ao famoso rendimento mínimo."
Todos sabemos, "que há portugueses que para ganharem mais uns tostões plantam eucaliptos até à beira do alcatrão das estradas, não se importando com as mortes que daí possam resultar."
Todos sabemos, "que há também os que matam o vizinho por causa de um poço ou de uma oliveira".
Todos sabemos, "que há portugueses que, em pleno Verão, fazem queimadas de forma irresponsável."
Todos sabemos, "que andam por aí muitos portugueses perigosos, gente que não se importa com a lei ou com a vida do seu concidadão".
Nem vale a pena falar dos comentadores desportivos, "que enchem os bolsos atiçando o ódio entre adeptos, gente contra a qual o André Ventura poderia fazer um dos seus discursos xenófobos, pois são todos bem branquinhos e portugueses de gema."
Todos sabemos que há portugueses perigosos...

Para os que dizem que não acredito, eu acredito, só que ninguém jamais saberá em quê, incluindo eu...



Acredito na utopia, por exemplo, que nos pode trazer coisas boas, como por exemplo a descoberta. 
Mas, o que é a utopia?..

Acredito na felicidade, por exemplo, que pode ser apenas uma utopia...

Mas, o que é a felicidade?..

A felicidade da utopia, porque inacessível, pode leva-nos muitas vezes à desistência. 

Quantas vezes já não abandonámos projectos, para  nos conformarmos com a realidade estupidamente verdadeira...
  
Por aqui o sonho continua... Evidentemente, com um pé bem assente na terra! 
Pequenas "lanças em África",  são sempre pequenas vitórias, melhores que a estagnação que nos rodeia e que nos desespera.

Não vão por aí...

Podem ameaçar com núvens negras ou a vinda de dilúvios,
que não há problema, pois sabemos nadar.
Podem ameaçar com processos de intenções ou apertos,
que não problema, pois não nos vão conseguir prender.
Podem tentar comprar o silêncio ou ameaçar com a mordaça,
que não há problema, pois não nos vão conseguir calar.
Podem ameaçar com a força bruta,
que não há problema: pelo medo não nos silenciam, nem nos hão-de conseguir vencer.
Como escreveu Pablo Neruda, esse sim Poeta:
Morre lentamente quem evita uma paixão.
Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz,
quem não arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho,
quem não se permite pelo menos uma vez na vida fugir dos conselhos sensatos.
Morre lentamente quem passa os dias queixando-se da sua má sorte ou da chuva incessante.

Noções básicas de propaganda para perpetuar a exploração da água na Figueira

Imagem sacada daqui
Criticar a Câmara pode-se.
As pessoas associam a Câmara ao Estado.
Em última instância, ao Governo do partido que administra o Estado. 
O mesmo Estado que tem vindo a ser desmantelado em beneficio de interesses privados, para depois,  e a pretexto do estado  a que isto chegou, se continuar com o processo de desmantelamento do Estado.

Criticar e, principalmente, nomear a empresa que gere a água na Figueira, não se pode.
A Câmara não deve, nem pode, fazer reparos a uma empresa privada, ainda que a mesma seja generosamente paga com o dinheiro dos contribuintes, ou mesmo que essa empresa seja uma das beneficiárias do estado a que isto chegou na Figueira.

Conclusão e moral da "estória" (se é que há moral nesta "estória").
Os figueirenses pagam a água ao preço do champanhe... 
Senhores candidatos a edis na Figueira: onde está a vontade e a coragem política para defender os cidadãos figueirenses, contra outros interesses?..

Há noites que, simplesmente, pedem música...