sábado, 19 de setembro de 2015

Não me lembro de um único momento de felicidade genuína na vida política figueirense

Parecendo que não, estamos em campanha eleitoral.
Na Figueira, porém, tudo continua na pasmaceira habitual.
Até na política local...
Em comunicado emitido recentemente o "PSD/Figueira atacou o executivo PS de Buarcos e São Julião".
No documento, a Concelhia da Figueira da Foz do PSD afirma que “os socialistas que governam o concelho” não param de “surpreender pela negativa”
Em causa a entrevista do presidente da Junta de Buarcos e São Julião ao DIÁRIO AS BEIRAS, em que José Esteves defendeu que, se forem criadas condições, “a Figueira enche-se novamente de turistas”
“O que é que andam a fazer a junta de freguesia e a câmara”, questionou a Concelhia PSD/Figueira liderada por Manuel Domingues. "Este Presidente já vai no segundo mandato… 
E a Câmara Municipal? Não são estas as entidades que têm que criar as condições para atrair turistas? Qual tem sido a divulgação da Figueira da Foz nos circuitos turísticos? Que investimentos foram feitos? É a praia suja! São os equipamentos degradados! É a falta de informação! A inexistência de um roteiro turístico e sinalização na nossa cidade."
Reacção de José Esteves. 
“Não tenho que dizer ao PSD o que reivindico na câmara. Já demos provas que nos interessamos pelos assuntos que dizem respeito à freguesia e ao concelho. Não alinhamos em jogos políticos”. 
Tirem-me deste filme: Figueira, je t’aime...

O desafio

Confesso a minha ignorância sobre a vida política dentro dos partidos do chamado "arco da governação".
Todavia, presumo que exista, pelo menos,  uma regra elementar dentro destes partidos: depois da luta pela liderança, ultrapassado o conflito interno da luta pelos lugares, segue-se a união de esforços para travar o conflito externo. 
Posso estar enganado, mas creio que o resultado das próximas eleições de 4 de outubro também vai depender disto.
Costa, para ser um sério candidato a primeiro-ministro,  no pouco tempo que resta até às eleições, vai ter de conseguir fazer acreditar os portugueses que conseguiu unir o PS depois do processo em que esteve envolvido para destronar Seguro.
Se isso não acontecer, poderá levar a que a corte neo liberal passista, se venha a manter, com a ajuda da muleta Portas, talvez com alguma troca de cadeiras, mais 4 anos no poder. 
Nestas eleições vai estar em causa muita coisa.
O eleitor, aquele que ainda se preocupa em participar, gostaria de votar sabendo que não se vai, mais uma vez, desiludir dentro de pouco tempo.
Passa por aqui muito do futuro da nossa democracia: conseguir que o cidadão português concilie o conflito entre manter a cidadania responsável que o leve a votar dentro de um sistema eleitoral em que já acredita muito pouco...

Para quem gosta de debates....