quarta-feira, 25 de março de 2015

Os cidadãos não se afastam da política por acaso...

Para que não exista qualquer tipo de confusão, escrevo, desde já, que Portugal é um Estado de Direito. 
Por isso, nunca, em circunstância alguma, podemos abrir excepções no que respeita aos direitos de um cidadão - seja ele Sócrates ou outro qualquer.

Escrito isto, recordo a entrevista de Sócrates, dada a Clara Ferreira Alves e publicada na Revista Expresso em outubro de 2013, apenas por ser um exemplo claro de um ex-jotinha.
Não tem nada a ver com a actual situação de preso preventivo do ex-primeiro-ministro. Até ser julgado em Tribunal, continua a beneficiar da presunção de inocência. 
Recordo dois momentos da entrevista de Sócrates.
A determinada altura, afirma:
«Aqueles gajos que se achavam a aristocracia pensavam que eu tinha que ir lá pedir, pedir se podia, pedir autorizações. E eu pensei, raios vos partam, vou vencer-vos a todos! E foi o que fiz!».
E, lá para para diante, diz:
Para ler a crónica do eng. Daniel Santos,
publicada hoje nas Beiras, clicar na imagem.
«Se voltei ao comentário político é porque me quis defender. Estava a ser atacado sem defesa.»

Se eu tivesse confiança nos jotinhas, Sócrates – ele próprio um ex-jotinha - com estas afirmações tinha esvaziado qualquer possibilidade de eu a continuar a ter.
Isto revela muito de José Sócrates, enquanto homem sujeito às contingências da condição humana. Porém, o que fica transcrito, em momento algum, revela uma vontade de intervir na sociedade com vista a contribuir para o bem comum.
Sendo a Política a intervenção na vida da polis, é de esperar que a razão fundamental que guia quem a ela se dedica seja o bem da comunidade. José Sócrates - ex-jotinha - deixou claro que não foi esse o objectivo que motivou o seu regresso, desta vez através do comentário político.

Os jotinhas, enquanto intervenientes políticos, costumam pensar em tudo, menos no bem da comunidade...
Sócrates, é só um exemplo. Passos Coelho, António Costa, Paulo Portas, por exemplo, são outros “modelos em ponto pequeno".
Na Figueira também temos bons e conhecidos exemplos - no PS e no PSD, como não poderia deixar de ser...

Um dia destes em Berlim, "o amor não esteve no ar, mas Merkel e Tsipras esforçaram-se"...

Venha o dia das eleições...

Passos Coelho, um verdadeiro artista.
"Temos hoje cada vez mais jovens que encontram oportunidades cá e que entendem que Portugal pode ser um bom destino até para jovens de outras nacionalidades." 

Poderia ter-lhe "ocorrido dissertar sobre a educação e a excelência da formação na escola pública, do ensino superior como indústria exportadora, uma das apostas de sucesso do seu consulado..."

"Cofres cheios", a trica do momento, esvaziou-se...

Em apenas um mês, saldo orçamental passa de excedente a défice de 240 milhões. 
"Em janeiro, o saldo orçamental das Administrações Públicas registou um excedente de 549 milhões de euros, mas em fevereiro voltou ao vermelho, registando um défice de 240 milhões de euros em termos acumulados, informa o Ministério das Finanças, numa nota enviada às redacções."