segunda-feira, 7 de maio de 2012

Pergunta de algibeira


Aqui onde me encontro, a mais ou menos 50 km de Lisboa, a falta de electricidade  acontece, na maioria das vezes, em dias como o de hoje: de bastante chuva chuva e algum vento…
A propósito…
Alguém sabe  porque é que quase toda a gente chama falta de luz à falta de electricidade?..
Confesso que nunca vi  ninguém  chamar  falta de fogão à falta de gás, ou falta de torneira  à falta de água!..

Lideranças localizadas…

Deles, podemos dizer que são dois vencedores do poder localizado...
Cresceram como líderes, em  freguesias e Terras menorizadas durante gerações pelo centralismo e arrogância figueirenses. Fizeram da exploração dessa fraqueza a alavanca dos seus sucessos eleitorais.
Ambos se especializaram numa retórica primária, usando as identidades locais com aparente entusiasmo, muita demagogia  e alguma subtileza.
José Elísio, percebeu que a dimensão política da sua freguesia e a sua identidade histórica própria poderia ser um dos pilares das suas reinvindicações. Carlos Simão entendeu que a manipulação da rivalidade local seria a lógica ideal para aplicar na relação com o eleitorado.
O povo elege-os e não quer saber do que fizeram ou fazem para continuarem a ganhar.
Outra característica, esta em  comum e, porventura,  a mais interessante, para a reflexão em torno do que eles consubstanciam e representam no fenónemo político que se instalou em Portugal, após Abril de 1974, está no facto de ninguém lhes conhecer nas respectivas  “ilhas” de influência, sucedâneos à altura dos feitos passados, ou tão-só do carisma do presente.
À volta do autarca de Lavos, gravitam figuras cinzentas, perfeitamente adaptadas à imagem de marca de José Elísio – “Ou vai, ou racha”!... Em redor de Carlos Simão, pululam figuras folclóricas para compor o ramalhete, sem voz nem vontade próprias, o que é o ideal para a estratégica pessoal do chefe.
Não sei, de todo, se esta incapacidade de criar legados de liderança, é a matriz do traço cultural de Lavos e da Cova-Gala, ou uma consequência da mudança de paradigma ocorrida em Portugal desde 1974….
Sei, isso sim, que é urgente que chegue ao poder uma nova  geração de lideres...
E não só em Lavos e na Cova-Gala….
Isto, a meu ver, é urgente em todo o País…

O europeu está quase à porta...


Vestir uma fatiota de apoio à nossa selecção, não é o mesmo que fazer desporto. 
Mas, pode revelar-se uma imagem bastante  apelativa e sugestiva...

Em defesa da Linha do Oeste

Mais de 160 pessoas viajam hoje de comboio entre S. Martinho do Porto (Alcobaça) e a Figueira da Foz, em protesto contra a intenção do Governo de encerrar o serviço de passageiros no troço norte da Linha do Oeste.  
A partida está agendada para as 08H45, em S. Martinho do Porto, no concelho de Alcobaça, onde, segundo os organizadores, “vão concentrar-se pessoas de Caldas da Rainha, Turquel, Alcobaça, Alfeizerão e Valado dos Frades”.
Os manifestantes participarão num almoço, na Figueira da Foz, durante o qual serão feitas intervenções em defesa da linha, cujo serviço de passageiros o Governo admitiu querer encerrar, ainda que o secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, não tenha avançado prazos para uma decisão final ao falar sobre o tema em abril.

Via AS  BEIRAS

Promoções...


Vários economistas já questionam a nossa adesão ao euro, apesar da euforia colectiva da altura. Portugal produz para ter uma moeda ao nível do marco alemão?
Os governos – foram dois – que aceitaram entrar no euro, prestaram um péssimo serviço a Portugal. Puseram nas mãos dos portugueses uma moeda forte, com os juros que a Alemanha pagava.
Mas tirando o PCP e o João Ferreira do Amaral, toda a gente dizia que o euro era uma maravilha… Andava tudo alucinado?
Eu não andava.
Mas então porque andavam todos os outros eufóricos?
Se lhes oferecem dinheiro, as pessoas querem dinheiro.
Uma espécie de 50% do Pingo Doce?
Vê no curto prazo a hipótese do fim do euro?
Vejo como possível o fim do euro. Há uma certeza: este euro que existe está assente em muito más bases.
*************************************************************************************************
Entrevista completa aqui.

Au revoir, Sarkozy!