Ernest Hemingway: «Um homem pode ser destruído mas não vencido.»

quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

Cabo Mondego

Adicionar legenda
"A Cimpor reclamou em tribunal o título de propriedade dos terrenos junto ao mar do Cabo Mondego e perdeu. Entretanto, desistiu de recorrer da sentença. O presidente da Câmara da Figueira da Foz, João Ataíde, adiantou, na reunião de câmara, que a cimenteira desistiu da reivindicação da área em questão, passando, assim, os terrenos para o domínio público. Com aquela decisão, a autarquia tem via aberta, ou mais aberta, para realizar obras na zona em causa para valorizar o interesse turístico, geológico e ambiental do Cabo Mondego. A inclusão daquele monumento natural na candidatura a geoparque da UNESCO também deverá beneficiar da desistência da titularidade dos terrenos pela Cimpor, empresa que explorou cal hidráulica durante várias décadas naquele sítio. A intenção da autarquia requalificar da estrada que liga o Cabo Mondego a Quiaios, através da Murtinheira, via panorâmica em terra batida construída pela cimenteira e designada como “estrada enforca cães”, também deverá ser facilitada. A empreitada, de resto, está incluída no orçamento da câmara para 2019. O mesmo acontecerá com o troço ciclável que liga Mira a Pombal, integrando uma ciclovia europeia.
“Santuário” geológico
O património edificado da Cimpor na antiga exploração de cal hidráulica, que se mantém na empresa, esse, poderá ser reconvertido em equipamentos turísticos, centro interpretativo ou outras finalidades, exceto construção de habitações. Os imóveis, situados no Cabo Mondego, têm como vizinhos o mar, a Serra da Boa Viagem e Buarcos, mas a revisão do Plano Diretor Municipal tratou de salvaguardar que não se destinariam ao setor imobiliário. A zona de exploração à superfície de cal hidráulica no Cabo Mondego é um “santuário” geológico e centro informal de estudo internacional sobre a história geológica do planeta Terra. Foi ali, aliás, onde foram descobertas as primeiras pegadas de dinossauro em Portugal e se têm achado vestígios geológicos (fósseis) de grande valor científi co. De resto, a comunidade científica mundial reconheceu a importância geológica do Cabo Mondego ao atribuir-lhe o Prego de Ouro, cravado na Praia da Murtinheira. Aquele monumento natural é, por isso, a âncora da candidatura que a autarquia está a elaborar para tentar elevar o concelho a geoparque da UNESCO."
J.A. via
DIÁRIO AS BEIRAS

1 comentário:

CeterisParibus disse...

É uma óptima notícia. Melhor ainda era saber o que vão fazer e quando.
Estou curioso para ler a sentença.