.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

segunda-feira, 26 de novembro de 2018

Esta gestão de "mercearia", vai tramar os futuros figueirenses...

"Discute-se hoje, na reunião da câmara, a proposta de emissão de parecer favorável ao seguinte pedido (já agora, sem dar por ela, mas para que conste, n.º 09-54/2017 ), cuja fundamentação da Divisão de Urbanismo segue nestes termos: “Trata-se de uma unidade comercial integrada numa operação urbanística que vem promover com incremento da função comercial e o reforço da centralidade da zona, tentando (o sublinhado é meu) não descaracterizar a malha urbana existente, bem como qualificar (ficamos sem saber se também é uma tentativa – a observação também é minha) o espaço público e reordenar (continuamos ainda no campo das intenções?) a circulação viária”. Confuso? Pelo menos mal redigido está, mas defende-se a Câmara, dizendo que “a proposta cumpre as disposições do PDM que lhe são aplicáveis (…) relativamente aos parâmetros de estacionamento” (ai quando a Figueira Parques descobrir que há lugares ainda não pagos!…). Finalmente, “quanto (…) às áreas de cedência para espaços verdes e equipamentos de utilização colectiva, verifica-se que são cumpridos e ultrapassados os parâmetros (…), mas não é proposta qualquer cedência para equipamentos de utilização colectiva”. Ou seja: mais uma média mercearia que a Câmara da Figueira da Foz acolhe, agora na zona nobre das Abadias, sem que desde há anos alguma coisa faça para impedir a perda da população, para atrair investimento industrial (sobretudo não poluente), ou para acabar com o fecho do comércio tradicional. Até quando?!..."
"… depois entranha-se!", uma crónica de Teotónio Cavavo, deputado municipal, hoje no DIÁRIO AS BEIRAS

Com a divulgação dos resultados dos próximos censos, a realizar em 2021, será possível conhecer com maior rigor a dimensão das mudanças profundas que assolaram a Figueira desde 2009, ano em que começou o reinado do juiz Ataíde na Figueira.
Uma dessas transformações, creio ser fácil de presumir, dirá respeito à mais que provável perda de habitantes do concelho.
A tendência nacional, nos últimos anos, tende para o aumento da concentração da população em cidades, em detrimento dos lugares  com menos de 2 mil habitantes, que estão a perder pessoas. 
É o caso, nomeadamente, do interior do Alentejo e do Alto Minho. Ou seja, de regiões em que o declínio demográfico é acompanhado por processos de crescimento urbano, à custa de lugares de menor dimensão, numa espécie de autofagia territorial que foi salvando os núcleos urbanos dessas regiões.
Creio que na Figueira nem isso aconteceu. Nos últimos 9 anos não vi capacidade de atracção de população rural pela cidade da Figueira. Além de ter atingido o concelho profundo, a tendência para o declínio atingiu  também a cidade sede do concelho. 
O que significa que o desafio do combate à desertificação do nosso concelho já não passa apenas pela revitalização humana dos espaços rurais, mas também, se ainda for possível, da própria cidade e núcleos urbanos - nomeadamente a Vila de S. Pedro...
Os efeitos da falta de estratégia política e a ausência de planeamento no desenrolar da vida do nosso concelho nas últimas 3 dezenas de anos, que o consulado de Ataíde agravou, vão ficar perfeitamente visíveis em 2021.
Governar à vista e casuisticamente, vai ficar caro às próximas gerações de figueirenses. E a culpa, também neste caso, foi dos paizinhos e das mãezinhas.

Sem comentários: