"Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha." - Confúcio

sábado, 16 de dezembro de 2017

Um desperdício enorme e um rude golpe dado aos nossos recursos naturais e financeiros finitos...

O lixo no orçamento municipal, uma crónica de João Vaz, consultor de sustentabilidade.
Via jornal AS BEIRAS.


"Em 2009, aquando da eleição do executivo municipal tive a esperança que a Câmara fosse ter uma verdadeira “política de ambiente”. Até 2013 houve as melhorias possíveis dada a falta de dinheiro. Desde então verifica-se que o orçamento municipal é consagrado às “grandes obras” e o ambiente foi metido na gaveta. O desinteresse pelo “ambiente” manifesta-se também nas taxas da “reciclagem”. Há quase 10 anos que a situação se mantém: somente 8% dos resíduos são depositados nos Ecopontos. O que faz a Câmara Municipal para melhorar este cenário? Quase nada para além de “muita conversa” e algumas ações de “fachada”. Há restaurantes que despejam todas as suas garrafas de vidro no “lixo”, não separam nada. O que lhes acontece? Nada. O operador privado que faz a recolha dos resíduos até agradece, é pago à tonelada…quanto mais lixo misturado, melhor, mais fatura. Nós, cidadãos, pagamos a conta desse desleixo. Prestes a lançar um contrato de recolha de resíduos por 10 milhões de euros, para os próximos 8 anos, a Câmara esqueceu-se da “reciclagem”. O objetivo do contrato é manter tudo, o mesmíssimo “modus operandi” e igual relação perante o operador privado – “desde que não haja lixo nas ruas, está tudo bem”. O contraste é enorme com outras Câmaras da região, e.g. Cantanhede, Condeixa, Penacova,… etc, que investem na “economia circular”
A Figueira ficará para trás, até 2026, amarrada a maus contratos."

Sem comentários: