Ernest Hemingway: «Um homem pode ser destruído mas não vencido.»

sábado, 23 de dezembro de 2017

Sustentabilidade ambiental na Figueira: do faz de conta oficial, à realidade...

Uma crónica de João Vaz, publicada no jornal AS BEIRAS

"A administração local tem um papel muito importante na construção de um país melhor, mais robusto e capaz de enfrentar os desafios ambientais. Aqui na Figueira os desafios são muitos, e presentes, não são coisa de “futuro”. Hoje já é tarde para pedir que sejam “as crianças a salvar o mundo” que os adultos estão a estragar por um misto de ganância e inação. Se atentarmos ao orçamento municipal verificamos que simplesmente não há política de sustentabilidade ambiental. O que lá está é mais do mesmo, continuar a fazer as mesmas obras, sem pensar na sua sustentabilidade, negligenciando consumos energéticos e a pegada hídrica. Conceitos como a conservação da paisagem e estratégias para aumentar a resiliência da floresta ao fogo, ainda não existem como rubricas orçamentadas. Nem sequer a mitigação e combate às alterações climáticas está contemplada no orçamento. Qual a pegada de carbono da Câmara Municipal? Ninguém sabe. Qual o objetivo no uso de energias renováveis por parte das estruturas municipais (piscinas, escolas, mercados, bibliotecas, etc.) e que investimento vai merecer? Quase nada, os utilizadores dos espaços vão continuar a ter frio no inverno e calor no verão, por falta de investimento no isolamento e climatização. Só quando o Estado central exige é que o nosso poder local reage, e é obrigado a agir, melhorando as estruturas. Um concelho mais ecológico seria já em 2018 um posto avançado da Agenda 2030, mobilizando a sociedade rumo ao desenvolvimento sustentável. Mas estamos longe disso."

Sem comentários: