.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

Hoje, é dia de luta pelo Cabedelo...

Mais logo, pelas 14 horas, em frente à câmara, tem lugar a manifestação a favor do Parque Campismo do Cabedelo.
Em causa, está o futuro e a vida de pessoas com rosto: como, por exemplo, o meu companheiro de sueca, o senhor Surrécio, aqui retratado pelo Pedro Cruz, que mostra uma fotogenia complexa, aparentemente de  uma pessoa serena, consciente do seu espaço e do seu lugar,  alguém que pensa com serenidade as coisas. 

Tem 90 anos e muitas histórias de vida,  umas quantas vividas neste local onde faz campismo há dezenas de anos.
Se for por diante, a atitude prepotente de sua excelência, o presidente da câmara municipal da Figueira da Foz, de em 31 do corrente encerrar o Parque de Campismo Foz do Mondego, vai ser responsável e vai carregar para sempre o ónus de prejudicar definitivamente um local e pessoas com alma. 

O Cabedelo detém uma ambiência especial,  em que nos elevamos, convivemos e comungamos  com a mãe natureza. 
Quero e vou continuar por aqui. É por aqui que vou permanecer na companhia do meu Amigo Surrécio.
Há lugares em que nos sentimos completos, dada a sua beleza. 
Há lugares onde temos a sensação de plenitude, onde nada mais precisamos para nos sentirmo-nos em paz connosco e com o que nos rodeia.

Na essência, o Cabedelo é isso para muita gente.
Estes decisores políticos, que cairam de pára-quedas na Figueira, querem dar-nos um murro no estômago... 
Um político responsável e competente deve ter os pés firmemente assentes na terra, conhecer o terreno, o visível e o invisível - e não apenas no conveniente período eleitoral.
O drama da Figueira, é que os políticos vivem há muitos anos, demasiados anos, dentro da bolha decisória de reuniões, inaugurações e relatórios. Entre croquetes e beberetes, umas palavras escritas e uns salamaleques, estes políticos decisores vão gerindo. 
E que é feito da necessária sensibilidade social?
Todos sabemos, porque o sentimos, que a  discussão político-partidária nas reuniões políticas (de câmara e asembleia municipal) não reflecte, como deveria, os problemas do cidadão comum que habita no concelho.
Entretanto, continuamos sem soluções para quase tudo.

Exemplo disso, é também mais esta obra faraónica que vai mudar a zona proxima dos Caras Direitas, em Buarcos...
Mais um exemplo, a par com o  Cabedelo, talvez a melhor e mais acabada demonstração da incompetência com que tem sido gerido o espaço do concelho da Figueira da Foz nos últimos anos.
E, isso, acaba por ter influência na qualidade de vida das pessoas.
O que é grave.

Sem comentários: