.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Obrigado

Há dias de que nunca esquecemos, mesmo quando os dias se esquecerem de nós.
Talvez por ser homem, apesar de ter mais duas irmãs, fui sempre “o filhinho da mamã”.
A minha Mãe gostava muitos de todos os filhos, mas a mim guardava-me e protegia-me como um tesouro.
Hoje, no dia em que o seu corpo sofrido e desgastado por uma doença que não perdoa a ninguém desceu à terra e ficou a repousar no cemitério de Lavos junto aos seus Pais, Irmãos e ao seu único Homem – o meu Pai – olho para trás e sinto que não lhe agradeci tal amor e dedicação o suficiente.
Sempre me senti acompanhado pela família, mesmo quando rodeado de silêncio. A família sempre foi o reduto inexpugnável da minha esperança. E vai continuar a ser. Ficámos mais pobres, mas continuamos “possantes”.
É isso que a minha Mãe, onde estiver, exige de nós – que nos mantenhamos fortes e unidos.
Somos feitos da mesma massa, do mesmo sangue. Há algo que nos une: as mesmas origens, a mesma pobreza, o mesmo orgulho, os mesmos sonhos - a mesma honradez.
Logo que possível este espaço vai retomar a normalidade. Para já, em nome da família, fica o agradecimento a todos – e muitos foram – os que estiveram e estão connosco nos momentos difíceis que ainda estamos a atravessar.
Obrigado pela solidariedade demonstrada. Jamais esqueceremos.

2 comentários:

A.Cruz disse...

Agostinho, bom dia.

Só agora soube do desaparecimento da tua Mãe. Lamento e as minhas condolências à tua família.

Para fraseando o poeta; Mãe há só uma.

A. Cruz

Lérias disse...

Os meus sentidos pesames ......é o ciclo da vida ....que continua.
Paz para sua alma.