Ernest Hemingway: «Um homem pode ser destruído mas não vencido.»

sábado, 31 de julho de 2010

"Os velhos do Restelo"

.
No passado dia 28, neste post, apontámos o que, quanto a nós, tinham sido dois erros estratégicos de localização de duas infra-estruturas fundamentais para o desenvolvimento sustentando do concelho da Figueira da Foz.
Curiosamente, hoje no jornal As Beiras, está este texto que aponta no sentido da necessidade de um cais comercial na zona sul.
Não é motivo de nenhuma satisfação pessoal, pois é triste verificar que os chamados “velhos do Restelo”, muitas vezes, têm razão antes do tempo!..
Neste caso e sobre este assunto, gostosamente sou dos que me auto incluo nessa categoria (quem tiver dúvidas, é só consultar a colecção do extinto Linha do Oeste e ler as Crónicas Marginais que lá publiquei durante anos...), mas, sobretudo, permitam que realce a figura de Manuel Luís Pata, um exemplo de perseverança, que tem uma luta de anos e anos a bater-se por aquilo que considera que deveria ter sido feito e não foi, pelo verdadeiro desenvolvimento do porto e barra da Figueira da Foz. Sei do que falo, pois tenho em meu poder uma compilação muito completa do trabalho deste Homem, que, no entanto, é apenas um resumo dum enorme trabalho e duma luta voluntarista e incompreendida, no decorrer de anos e anos!..
Cavaco Silva, Santana Lopes, Duarte Silva, João Cravinho, Narciso Miranda, entre muitos outros, sabem do que estou a falar...
Nos dias de hoje, penso que muita gente já compreendeu o erro fatal que foi para a Figueira o ter-se ignorado o projecto para a construção do Porto Oceânico elaborado pelo eng. Baldaque da Silva, que chegou a ser aprovado em 1914 na Assembleia de Deputados e dada luz verde para ser posto a concurso, o que nunca aconteceu. Esse projecto, recorde-se, consistia na construção de um "paredão", a partir do Cabo Mondego em direcção a sul, o qual assentaria na rocha lá existente.
Em vez disso, optou-se nos anos sessenta do século passado, pela construção dos molhes que transformaram a Rainha das Praias de Portugal, a Praia da Claridade, na actual Praia da Calamidade.
Mais recentemente, avançou-se para o prolongamento do molhe norte, que ao contrário do que alguém disse há tempos, "não é a mãe de todas as obras", mas, oxalá esteja enganado, irá revelar-se, mais cedo do que tarde, a "obra madastra"...
Os especialistas é que o disseram, como pode ler-se no Jornal de Coimbra, no dia 29 de Março de 2000, na página 15: "é extremamente perigoso fazer qualquer prolongamento no molhe norte, porque isso iria provocar uma maior acumulação de areias a norte, enquanto que a sul o mar aumentaria a sua acção erosiva".
Alguém os ouviu?... Presumo que não, pois, sobre esta matéria, continuam a subsistir "muitas dúvidas e poucas certezas"...

1 comentário:

Zéfoz disse...

Meu caro amigo
Subscrevo inteiramente o seu post.
Conheço há muito tempo o impressionante currículo do Engº Baldaque e bem assim o seu projecto do porto oceânico. Apesar deste ter sido aprovado, como diz, a sua construção nunca se efectivou e talvez haja uma razão para isso. O porto de Aveiro nunca quis ser suplantado pelo porto Figueira (e não é isso que ainda hoje se vê?) e os políticos aveirenses sempre se mexeram muito bem para que issso não acontecesse. É que o porto oceânico da Figueira, situado no inter-land das Beiras, com uma situação privilegiada, ultrapassaria a breve trecho, o porto de Aveiro. Tenho lido muito sobre o assunto e o único senão do porto oceânico é que também poderia afectar a praia da Claridade, nomeadamente com resíduos e óleos, conforme alguns opositores do projecto. Mas isso é uma coisa que nunca se saberá, dado que esse sonho morreu com o seu autor, Engº Baldaque da Silva, que foi efectivamente um grande amigo da Figueira da Foz.
Abraço.