quarta-feira, 24 de junho de 2009

Vila de São Pedro

No passado domingo, como disse aqui, tive oportunidade de contactar com “a mais divertida e tolinha prosa que li nos últimos anos…”
Como o assunto tem a ver com a Terra, não vou deixá-lo só para mim. Sou egoísta, mas não tanto.

Vivo numa Terra onde os interesses parecem sempre individuais, de grupo ou paroquianos.
Nunca colectivos.
Por vezes, pergunto-me: como seria esta Terra se saíssemos do nosso microcosmos e funcionássemos em colectivo?...
As coisas, todavia, são como são, embora, haja quem pretenda que as coisas são como não são. A originalidade, como facilmente constata qualquer burro, nem todos podem. E, alguns, não podem mesmo.
Já quanto a imitar, qualquer um imita…

Depois de no passado dia 13 do corrente, o presidente da junta de freguesia de São Pedro, em declarações que prestou ao jornal As Beiras, ter proferido palavras (estas: “condeno esse habitante, que não é digno de habitar aqui!”…) que, certamente, ficarão gravadas, a ouro, no seu curriculum pessoal de autarca modelo e insigne democrata, referindo-se a um membro da assembleia de freguesia, foi agora a vez de um membro do mesmo executivo – o secretário – ter vindo a terreiro, através de O Figueirense (dia 19 de Junho, página 4), sobre o caso, ainda não esclarecido, da “Vila de São Pedro”.
A seguir à entrada, um arrazoado, completamente infeliz, inócuo e destrambelhado, dirigido a uma respeitada figura da política figueirense, com quem eu nunca me lembro de ter trocado, sequer, uma palavra pessoalmente, mas a quem reconheço ser um Democrata de sempre – isto é, desde antes de Abril de 1974, não sei porque carga de água, a dado passo, numa local intitulada “A VILA DA FIGUEIRA DA FOZ”, vira-se para o meu lado e dispara. Vamos ao essencial – apenas no que a mim diz respeito: “falta de legitimidade é quando somos eleitos pela nossa população e durante um mandato, que está a chegar ao fim, não discordamos de nada e refugiamo-nos num blogue…..”
(Podia é ter dito, por ser verdade, num blogue com caras, com assinaturas, com marca, e não um blogue caluniador e anónimo…
Focar, num blogue responsável, os problemas da Terra onde se nasceu e se vive, é a normalidade, numa democracia moderna.
Não focar, num blogue responsável, os problemas da Terra onde se nasceu e se vive, seria a anormalidade, numa democracia moderna.
Numa sociedade democrática e livre, é normal os políticos serem analisados e criticados.
Numa sociedade democrática e livre, é anormal os políticos não serem analisados nem criticados…)

Bom, mas recuperando o fio à meada, eu nem precisava de perder mais tempo. Ele próprio, logo a seguir, contradiz-se: “este cidadão, eleito para a assembleia de freguesia para defender os interesses da comunidade, foi o único que não votou favoravelmente a elevação da freguesia de São Pedro a Vila…”.
Estão a ver a contradição: “falta de legitimidade é quando somos eleitos pela nossa população e durante um mandato, que está a chegar ao fim, não discordamos de nada e refugiamo-nos num blogue…..”.
E, logo a seguir, o incómodo: “foi o único que não votou favoravelmente a elevação da freguesia de São Pedro a Vila…”.
Já agora, se me permitem, recordo que existem questões técnicas, ainda por esclarecer, sobre o PROJECTO DE LEI N.º 535/X – ELEVAÇÃO DE SÃO PEDRO À CATEGORIA DE VILA DA INICIATIVA DO PARTIDO SOCIAL DEMOCRATA aprovado, por unanimidade, na Assembleia da República : São Pedro, não tem existência física é, tão somente, uma denominação administrativa – freguesia de São Pedro, que engloba Cova, Gala, Cabedelo e Morraceira. Até prova em contrário, o que sobe a Vila é um povoado, uma aldeia.
Portanto, até porque, reconhecidamente, essas questões técnicas continuam por resolver (e mesmo que assim não fosse), a posição, a todos os títulos legítima, que tomei, não constitui, que eu saiba, nenhum crime merecedor de qualquer tipo de condenação por parte do executivo da Junta. Era o que faltava, ver o meu direito a votar num órgão para que fui eleito democraticamente – a assembleia de freguesia – condicionado por ingerência de elementos de outro órgão!…
Será que, em São Pedro, só se pode fazer a oposição que o poder “autoriza”, consente ou deseja?..

Não ando aqui para ser simpático, nem faço nada para merecer essa sensação, daqueles que eu considero que colocam as questões individuais em primeiro plano.
Como ninguém é neutral, eu também não o tenho de ser - nem sou.
Continuo ao lado daqueles que são meus pares: as vítimas, os indefesos, os manipulados.
Para sempre ter sido apenas isto, nunca precisei de caluniar ou insultar alguém. Tem-me bastado continuar a ser eu próprio. Que é, apenas, o que pretendo continuar a ser.

3 comentários:

edirole disse...

Estou com uns míseros 10 minutos de rede disponíveis, mas deve dar para dizer o seguinte:
Concordo em absoluto com esta tua tomada de posição.
Conforme se pode ler no blog Cova D'oiro de 17 de Junho é precisamente o que defendo e lá opinei.
Mais, face a tamanho disparate técnico que é a proposta de elevação a vila do "povoado de S. Pedro" conforme está incluso no proj. lei 535/x, era perfeitamente legitimo teres votado CONTRA.
Intrigante é o facto de alguns dos nossos eleitos continuarem a insistir em tal disparate ao dizer "Vila de S. Pedro".
Que se saiba não existe nenhum povoado de S. Pedro. Existe, isso sim, o povoado Cova-Gala legitimo herdeiro do legado original da Cova e da Gala.
É por tudo isto que somos e é por tudo isso que continuaremos a SER.
E o SER não se compra nem se vende!

João Pita

António Agostinho disse...

Meu caro João:

obrigado e continuação de boas férias.

Guimaraes disse...

Começa a ser heresia afirmar verdades óbvias que estão à frente de todos. O rei vai nu!
É óbvio que não havendo uma povoação de nome S. Pedro, esta nunca pode ser elevada a vila, pelo simples facto de não existir.
Não é preciso ser professor de Coimbra, meu Deus...!
Quanto ao "refugiar-se no blogue", já dizia o Camões que "não é prémio vil ser conhecido por um pregão do ninho meu paterno".
Um abraço