quinta-feira, 27 de julho de 2006

MEMÓRIA - O Estado Novo, o isqueiro e a coca-cola




Portugal, nos tempos do Estado Novo, viveu situações que, de tão aberrantes, até parece que a realidade não passou de uma ficção.
Deixemos, por agora, os pormenores trágicos, que a vida já é pesada que chegue, e vamos ao caricato.
Já aqui lembrámos, um dia destes, o que aconteceu com o isqueiro, o "perigoso" instrumento que carecia de licença paga para ser utilizado pelos cidadãos fumadores.
Cremos que vale a pena pormenorizar um pouco mais! ... Até porque o tema teve enorme impacto, junto de quem faz o favor de visitar este espaço.
Vamos, pois, ao que interessa. A licença de isqueiro.
Atenção ao preciosismo: não era uma licença por isqueiro, mas sim por utilizador.
Por exemplo, uma família de oito elementos que partilhasse um único isqueiro, para estar legal, precisaria de oito licenças! ...Vamos aos detalhes.
Em Novembro de 1937, o Decreto-lei nº 28219 estabelecia que qualquer cidadão, para poder utilizar isqueiros em público, tinha que possuir uma licença.
Este documento tinha de ser passado por uma Repartição de Finanças.
Era nominal, o que significava que um mesmo isqueiro não podia ser utilizado por outra pessoa sem que esta tivesse uma licença para o utilizar.
Se alguém não apresentasse a referida licença, ao ser interpelado por um «fiscal de isqueiros» ou por um polícia, sujeitava-se ao pagamento de uma multa e à apreensão do acendedor. Não esquecer o pormenor da denúncia, “premiada” com 15% ao denunciante! ...
É bom ter memória e dar-lhe algum uso ...
Mais uma recordação curiosa! ...
Atentem, então, o que aconteceu com a Coca-Cola, a vulgaríssima bebida refrescante que, durante décadas, enquanto se incentivava o consumo de vinho, foi banida de Portugal.
Esta, como dizia o meu saudoso amigo Zé Martins, “é de cabo de esquadra! ...”
Vale a pena trazer à colação algumas palavras dirigidas por Salazar a Makinsky, na altura, o responsável daquela multinacional para a Europa, no sentido de excluir qualquer possibilidade de distribuição comercial da bebida no nosso País.
Citando a Historiadora Maria Filomena Mónica, ficam as palavras de Salazar: "sempre me opus à sua aparição no mercado português. Trata-se daquilo a que eu poderia chamar "a nossa paisagem moral". Portugal é um país conservador, paternalista e – Deus seja louvado – "atrasado", termo que eu considero mais lisonjeiro do que pejorativo. O senhor arrisca-se a introduzir em Portugal aquilo que eu detesto acima de tudo, ou seja, o modernismo e a famosa "efficiency". Estremeço perante a ideia dos vossos camiões a percorrer, a toda a velocidade, as ruas das nossas velhas cidades, acelerando, à medida que passam, o ritmo dos nossos hábitos seculares".
Tanto proteccionismo ao bom povo português devia enjoar, pois, se reflectirmos um pouco, verificamos que configurava mesmo um atentado contra a nossa liberdade de escolha. Mais: interferia com a qualidade de vida. Das nossas vidas.

6 comentários:

Gato Preto disse...

Ôpos-se apenas no Continente, nas então chamadas provincias ultramarinas, como foi o caso de Angola a referida bebida vendia-se e consumia-se livremente. Porque seria?

pvnam disse...

«mini-spam»

--->>> Não sejas um PARVO IDIOTA ÚTIL ao serviço do Interesse Judaico: o EXTERMÍNIO da Identidade Étnica Europeia (em particular, da Identidade Ariana Europeia)... e não só...
--->>> ANTES QUE SEJA TARDE DEMAIS... reivindica o LEGÍTIMO Direito ao Separatismo: A constituição de Espaços Reserva Natural de Povos Nativos.
[ Nota: Não é difícil de perceber que a única forma de SALVAR a Identidade Étnica Europeia (e, em particular, a Identidade Ariana Europeia) é o Separatismo: Ver: SEPARATISMO-50]


ANEXO 1:
Depois da acção de extermínio cometida por Arianos sobre Judeus [na 2º guerra mundial], os Judeus planearam a sua Vingança sobre os Arianos.
Mas acontece que "a Vingança é um prato que se serve frio".
Ou seja, a vingança não é concretizada no imediato, mas sim, no LONGO PRAZO.
Os parvos que acordem:
-> como o Separatismo vai permitir o SALVAR da Identidade Étnica Europeia (e, em particular, da Identidade Ariana Europeia), agentes judaicos infiltrados nos Movimentos Nacionalistas Europeus procuram - a todo o custo - IMPEDIR que os europeus venham a reivindicar o LEGÍTIMO Direito ao Separatismo.

ANEXO 2:
A Elite dos Capitalistas Selvagens continua a 'preparar o terreno':
-> promoção da dissolução das Identidades Nacionais...
-> promoção do Caos...
[ Nota: os Líderes da Alta Finança (Capitalistas Selvagens) são os Judeus ]
Depois, a partir do Caos, os Capitalistas Selvagens pretendem erguer uma Nova Civilização: uma CIVILIZAÇÃO MERCENÁRIA... aonde os Capitalistas Selvagens serão os Senhores Donos do Mundo.
[ Nota: Será um Neo-Feudalismo (agora numa forma mais ampla)... de facto, no passado, também foi a partir do Caos que os Senhores Feudais (com os seus mercenários - que trabalham para quem lhes pagar mais) ergueram a sua Civilização Mercenária: o Feudalismo ]

Bakunine disse...

Bem, o "Manholas" lá defendeu bem o seu continental cantinho, mas como tudo tem um preço, lá ia vendendo as "possessões ultramarinas" aos bocadinhos, não é?

Jose Stalin disse...

Olhe que não, olhe que não.
Miroska, merdoska. (Em Russo)

Anónimo disse...

É velho, então isto é só novidades.
Passa um animal, uma semana sem por a vista em cima deste grande encontro de amigos(blog)e apanho aqui uns escrotes de "retró SANTANÁS". Dá-lhes que eles pensam que tu andaste no Conde Ferreira!
Afinfalhes que isto é gado que nem o PORRITA dá conta deles...A faca não corta gado deste.PORRA, para direita, só o Monteiro.
Abraço
EU

Anónimo disse...

Até que enfim o célebérrimo Porrita tem direito a uma honrosa referência num blog da sua Terra... Obrigado ao "Rétró Santanás"