sábado, 29 de julho de 2006

Não se perdeu


Não se perdeu nenhuma coisa em mim.
Continuam as noites e os poentes
Que escorreram na casa e no jardim,
Continuam as vozes diferentes
Que intactas no meu ser estão suspensas.
Trago o terror e trago a claridade,
E através de todas as presenças
Caminho para a única unidade.
,,,,
Sophia de Mello Breyner

3 comentários:

Anónimo disse...

Cruz acho que devias tirar o curso de primeiros socorros... mas tens jeito para a fotografia... Jinhos das amigas da América...
V. B. G.

castelo de areia disse...

Caro A.J.A.:
Vou estar uns tempos em local sem acesso à Internet. De qualquer maneira fica já de pé o petisco com o Xaninho para depois de 15 Agosto.

Agostinho disse...

ok. tá combinado.
um abraço