sexta-feira, 10 de julho de 2015

Decretada a prisão domiciliária para Armando Vara

Depois de ter sido detido ontem, o ex-ministro do PS esteve esta sexta-feira, dia 10, a ser ouvido pelo juiz Carlos Alexandre, no Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), em Lisboa, no âmbito da Operação Marquês. O antigo administrador da Caixa Geral de Depósitos é suspeito dos crimes de corrupção, fraude fiscal e branqueamento de capitais.
A Operação Marquês já conta com nove arguidos, sendo que o ex-primeiro ministro José Sócrates é o único que se encontra preso preventivamente, indiciado por fraude fiscal qualificada, corrupção e branqueamento de capitais.
Recorde-se que em setembro do ano passado, Armando Vara foi condenado a cinco anos de prisão efectiva, no processo Face Oculta, por tráfico de influências. No entanto, esta decisão ainda está em recurso no Tribunal da Relação do Porto.

Em tempo.
Depois de Carlos Cruz e Jorge Ritto, Armando Vara poderá ser o próximo a ser expulso da Ordem do Infante D. Henrique

Em memória da resistência à ditadura e da liberdade conquistada em 25 de Abril de 1974

"A palavra vem do árabe “aljubb” e significa cárcere, prisão, espaço sem luz, nem ar. Em Lisboa havia a prisão do Aljube, entre 1926 e 1965 “adaptada” a prisão política onde ficavam, em “curros” ou “gavetas”, os presos políticos, um espaço de 1,5 por 2 metros, sem luz e que apenas era arejado quando era aberto o postigo, ou para lhes dar pão rijo, café aguado, ou a água que lhes servia de alimento, ou o telefone tocava e era o habitante da cela que era aberta o escolhido para ir ser interrogado, torturado, na sede da pide. 
Lá estiveram presos Álvaro Cunhal, Mário Soares, Domingos Abrantes, Palma Inácio, entre outros. Alguns por escassos meses, outros em trânsito para Peniche ou Caxias. A prisão foi encerrada em 1965, por razões de salubridade, pois nem aos carrascos já servia. Presentemente, encontra-se lá o Museu da Resistência e da Liberdade, dirigido pelo professor Luís Farinha, que tem patente uma exposição sobre aqueles tempos de repressão, obscurantismo e falta de liberdade, cuja visita aproveitará a todos. 
Para que não nos esqueçamos."

Em tempo.
No passado dia 25 de Abril, uma data apropriada,  o presidente da CML, Fernando Medina, inaugurou o Museu do Aljube — Resistência e Liberdade no edifício da antiga cadeia de presos políticos, do Aljube, situada ao lado da Sé de Lisboa, a que se refere a crónica de hoje de António Augusto Menano publicada no jornal AS BEIRAS.
Para quem o desejar pode ficar a saber clicando aqui os principais momentos do caminho para o Museu do Aljube.

“Parabéns Dr. João e restante equipa”…

“O fim-de-semana de 11 e 12 de Julho promete momentos inesquecíveis.
Vão ser dois dias sem igual, onde o RFM - O Maior Sunset de Sempre e o Figueira Beach Rugby vão ser reis.
A temperatura vai subir, aproveite e visite-nos.”
Com o Herman e os Gato Fedorento perdidos por aí,  o País atravessa uma enorme crise de humor.
Na Figueira, porém,  o humor está em alta…
Portanto, livrem-se de deixar sair este Presidente!..


Em tempo.
Eu sei que às vezes o excesso de ruído nos torna patetas...
Mas, para a Aldeia do Mar, como era “fixolas” o vento, este fim de semana, soprar do sul para norte…

PS (salvo seja).
Agora digam que sou eu que sou mauzinho.

“Que «actividade» pode ser mais desgastante, mais exasperante pelo sentimento de impotência que faz nascer, do que submeter-se permanentemente aos passes, às mediações, às esperas infindáveis da burocracia” *


* José Gil

Casa dos Pescadores da Costa de Lavos, um ano depois...


"Operação Marquês" - continuação...

Vara  foi detido mesmo em cima da entrevista da TVI24 a António Costa…

Em tempo.
A maioria destes democratas pós 25, entraram no negócio da política pela porta da “esquerda democrática”  ou da "extrema esquerda", de acordo com o que o seu estatuto social da altura lhes permitia, por entre manifestações agitadas, palavras de ordem rimadas e licenciaturas obtidas em RGA(s).
Gente desenrascada e sem constrangimentos morais ou grandes apegos a problemas de consciência, não se coíbem de arrotar postas de pescada, na cara de quem os sustenta, à custa da sua  própria condição de pobreza.
Estes insignes democratas continuam a andar por aí ao sabor dos seus interesses pessoais.
Eu que nada tenho contra o enriquecimento, lamento as algibeiras cada vez mais rotas pelas fortunas que foram e são feitas, também, à conta do meu trabalho.

Pré-campanha (O Governo corrigiu “desequilíbrios herdados”, mas falta agora travar uma "guerra sem quartel às desigualdades de natureza económica e social", disse o primeiro-ministro!)

Depois de lançar no desemprego centenas de milhares de pessoas, de convidar jovens e adultos a emigrar, de cortar nos salários, em pensões e prestações sociais, Pedro Passos Coelho diz que é chegada a hora de travar uma «guerra sem quartel às desigualdades de natureza económica e social». Não estranhem: o primeiro ministro que apresenta esta promessa eleitoral é o mesmo primeiro ministro que acha que não foram as medidas de austeridade que «aumentaram o risco de pobreza» e que os mais pobres «não foram afectados por cortes nenhuns». E de nada serve que organizações insuspeitas, como a OCDE, critiquem as políticas sociais do governo, reprovando os cortes efectuados no RSI ou o facto de a austeridade pesar muito mais para as famílias de menores rendimentos.
Do que talvez a OCDE não se aperceba, em matéria de políticas de combate, «sem quartel», à pobreza e às desigualdades, é que não se trata apenas de uma questão de cortes orçamentais mas sim, e sobretudo, do regresso à miséria moral da caridade e à sopa como política social. Os números são claros: se tomarmos como base o ano de 2010, os beneficiários do RSI passaram a representar 61% do número de beneficiários existentes naquele ano, ao mesmo tempo que as pessoas assistidas pelo Banco Alimentar Contra a Fome (BACF) aumentaram em 29 pontos percentuais. Em 2014, aliás, ocorre um facto inédito: o número de pessoas apoiadas pelo BACF (384 mil) supera o total de beneficiários de RSI (321 mil).
Via Ladrões de Bicicletas

Um tractor na praia do orbitur

foto António Agostinho