"Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha." - Confúcio

domingo, 14 de março de 2021

CRISTINA TORRES (1891 – 1975), uma grande Mulher figueirense

Na Figueira, há Mulheres assim: fortes, talentosas, corajosas resistentes e próximas dos outros e da vida.
Porque o dia da Mulher passou recentemente, apetece-me neste domingo recordar uma Mulher figueirense antifascista e da resistência.
Conheci Cristina Torres na primeira manifestação em liberdade, a 26 de Abril de 74, a que diz diz respeito a fotografia. Depois, ouvi o Zé Martins falar muto dela.

«Arriscou ser ostracizada por um país em que as mulheres não podiam viajar sem a autorização dos maridos e em que os divórcios não eram permitidos. 
Foi uma mulher que marcou e influenciou muita gente. 
Em 24 de Novembro de 1986 foi inaugurada, na Figueira da Foz uma escola secundária, que veio chamar-se «Escola Secundária e de 3º CEB de Cristina Torres»
Para a maioria dos actuais residentes na Figueira da Foz, Cristina Torres é nome de Escola; para a maioria da população portuguesa será uma “ilustre” desconhecida. 
Nascida na Figueira da Foz a 21 de Março de 1891, Cristina Torres dos Santos desde cedo teve contacto com os ideais republicanos que então germinavam em Portugal. A sua infância foi vivida com os avós, e na mesma cidade, onde frequentou a Escola Primária. Aos treze anos viu-se obrigada a abandonar os estudos e a iniciar uma actividade, a de costureira, enquanto frequentava os cursos nocturnos da Escola Industrial. 
Desde jovem manifestou gosto pela leitura e foi colaboradora dos jornais “A República”, “Voz da Justiça”, “Redenção” e “A Evolução”, servindo-se por vezes do pseudónimo de Maria República. 
Aos vinte e um anos foi para Coimbra, pois pretendia continuar a estudar. 
Por diversas vezes o Ministério da Instrução procedeu a alterações da legislação, o que afectou Cristina Torres que ia vendo adiada a sua entrada na Universidade. Mesmo assim completou o curso dos Liceus, a Escola Normal Primária e o Curso de Histórico-Geográficas. 
Cristina Torres, paralelamente ao seu papel de estudante, de costureira em casa de colegas, de trabalhadora na Imprensa da Universidade, dava ainda aulas de instrução primária a operários, em horário pós-laboral e arranjava tempo para manter intensa actividade política, colaborando nos jornais “Resistência”, “Briosa“ e “Revolta”
Entretanto, em 1914, casou com Albano Duque, outro democrata figueirense, tendo ambos vivido épocas de privações. Entre 1915 e 1922 foi professora das Escolas Móveis - instituídas na 1ª República como meio de combate ao analfabetismo - em Coimbra e Moinho da Mata, mas mantendo a necessidade de continuar a costurar, pois devido à discriminação dos sexos existente, não conseguia colocação como professora do Ensino Secundário. Em 1922 veio dar aulas para a Figueira da Foz e, dois anos mais tarde, foi nomeada professora efectiva da Escola Industrial de Bernardino Machado, leccionando Português, Francês, Inglês e Geografia. No entanto em 1932, devido à sua intensa actividade politica foi mandada prestar serviço na Escola Industrial e Comercial de Bartolomeu dos Mártires, em Braga. Em 1949 a perseguição politica que lhe era movida atingiu o auge com a instauração de um processo de suspensão que a colocou numa situação de inactividade. Regressada à Figueira da Foz, as lições particulares passaram a constituir o seu modo de vida. 
Em 9 de Fevereiro de 1974, apesar de ainda se viver sujeito à censura e à repressão, realizou-se na Figueira da Foz uma Homenagem Nacional a Cristina Torres e a José Rafael Sampaio, outro democrata. 
A homenageada esteve presente. 
Pouco faltava para ver chegar e viver o dia 25 de Abril de 1974 e usar da liberdade de expressão sem entraves. Foi com determinação que compareceu na primeira manifestação em liberdade, a 26 de Abril de 74. 
Recordo palavras de António Augusto Menano, em Fevereiro de 2018.»
"Acabou num quarto do Hospital da Misericórdia, para onde a minha mulher e eu a transportámos, depois de a encontrarmos, caída no chão, ensanguentada, em sua casa. 
Passou os últimos tempos quase esquecida. 
Apenas o já falecido Mário Moniz Santos a visitava. 
Morreu, e o seu estatuto de democrata, que serviu a alguns como estandarte, tornou-se mais visível. 
Mas não esqueço os muitos dias em que ia até ao pé dela (era o gerente da hospital e, por razões profissionais, estava lá diariamente) e a encontrei triste e só." 
Cristina Torres faleceu em 1 de Abril de 1975.

Sem comentários: