"Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha." - Confúcio

sábado, 13 de março de 2021

Na Figueira, o que resta aos cada vez mais nervosos santanistas? Ensaiar a fuga para o lado?..

Imagem via Nascer do Sol

"Na conversa com Rui Rio", apurou o Nascer do SOL, "o líder do PSD terá justificado a recusa em apoiar Santana Lopes para a Figueira da Foz, porque as estruturas locais, distrital de Coimbra e concelhia da Figueira da Foz, pretendiam Pedro Machado (e não Santana) como candidato. 
O líder social-democrata ainda propôs que Santana Lopes fosse candidato em Sintra. O também antigo primeiro-ministro declinou. E existiam motivos. Santana Lopes sempre disse a Rio e à sua direcção que se equacionasse uma candidatura autárquica teria de ser como independente, com o apoio incondicional do partido Aliança (que fundou, mas do qual já se desfiliou) e que se existissem guerras locais no concelho sobre nomes estaria fora da contenda
Em Sintra, o nome melhor colocado é o de Marco Almeida, mas a concelhia optou pelo professor António Pinto Pereira. E Santana não quereria entrar numa guerra interna partidária
Na Figueira da Foz, a concelhia fez saber logo em fevereiro que não desejava Santana Lopes, mas 149 militantes do PSD da Figueira da Foz (uma parte representativa de militantes ativos) discorda. E quer mesmo Santana como candidato. 
Na carta, enviada a Rui Rio na quinta-feira passada, e a que o Nascer do SOL teve acesso, pode ler-se que Santana Lopes «tem um efeito suprapartidário e facilmente arrasta a candidatura para uma vitória folgada». Para estes militantes, Santana Lopes «é a pessoa certa para o município».  
Rio foi alertado para as «consequências desastrosas» de se ter duas candidaturas, a de Pedro Machado e de Santana Lopes. 
Rio não interferiu. Santana já disse que não precisa de ir às urnas novamente, mas está em reflexão. Resistirá a regressar ao combate político na Figueira da Foz?" 

Ontem, Rio anunciou 51 novos nomes para as autárquicas e confirmou Pedro Machado como candidato na Figueira da Foz.
"Santana Lopes sempre disse a Rio e à sua direcção que se equacionasse uma candidatura autárquica teria de ser como independente, com o apoio incondicional do partido Aliança (que fundou, mas do qual já se desfiliou) e que se existissem guerras locais no concelho sobre nomes estaria fora da contenda."
Presumo que isto tanto valeu para Sintra, como vale para a Figueira. 
Portanto, para mim, que há muito constatei que o mais longe que Santana vê como político é meter e (se possível) manter os compadres no poleiro o que para um candidato à câmara da Figueira da Foz, considero sintomático e redutor, tanto se me dá como se me deu...
Já agora, porque vem a talhe de foice como soe dizer-se, em Junho houve eleições para a concelhia do PSD/FIGUEIRA. Já nessa altura o candidato vencedor foi claro na sua preferência do candidato autárquico para Outubro de 2021:

Sem comentários: