.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

quarta-feira, 8 de julho de 2020

Faltam 23 dias: e os trabalhadores do Cabedelo?

"A Câmara da Figueira da Foz não renovou a licença mensal, vai proceder à posse administrativa e os trabalhos de demolição avançarão no dia 1 de agosto.
A decisão da autarquia de avançar com a posse administrativa surgiu da ausência de resposta do concessionário à proposta que lhe vem fazendo há mais de um ano. Caso o impasse se prolongue, o município arrisca-se a perder 600 mil euros de fundos comunitários para a empreitada."
Via Diário as Beiras


As obras de requalificação do Cabedelo estão atrasadas. Esse, é um facto indesmentível. A Câmara Municipal da Figueira da Foz, diz que a culpa é da administração do Parque de Campismo do Cabedelo. Isso, já não sei se é rigorosamente assim, pois não conheço os verdadeiros contornos de todo o problema.
As obras da requalificação de Buarcos, estão atrasadas. No casco velho da cidade é o que sabemos e os dramas que por lá existem, nomeadamente na Rua dos Combatentes da Grande Guerra. As obras no Estádio Municipal Bento Pessoa, estão atrasadas. Pelo menos nestas, alguém tem culpa, e não é de certeza a administração do Parque do Campismo do Cabedelo.
Portanto: Na Figueira, existe, na realidade, um problema de gestão das obras camarárias, dos prazos das mesmas e das derrapagens financeiras das mesmas. De quem é a culpa? Compete a quem gere os destinos da Câmara apurar.
Seria interessante haver um livro branco, por exemplo,  sobre a obra do Cabedelo actualmente em curso. Eventualmente, poderia sair algo de positivo para o futuro: eventualmente, um manual de más práticas a evitar na gestão da utilização dos dinheiros públicos.

Na reunião de Câmara da passada segunda-feira ninguém falou dos trabalhadores do Cabedelo. Ninguém falou no sofrimento  destas pessoas. Que têm nome e têm famílias a seu cargo. No inverno são 15. No verão mais de 30. Pessoas, na sua maioria, a quem vai ser extremamente difícil arranjar outro posto de trabalho.
É pouco senhor presidente da câmara e senhores vereadores?...
Vamos ver quantos novos postos de trabalho vão ser criados com os milhões de euros que se vão gastar no Cabedelo... As barracas de farturas e tripas doces que lá se instalaram este ano não podem contar.

Tal como os trabalhadores do Cabedelo  vão atravessar dificuldades, se avançar o arraso e a destruição dos seus postos de trabalho no próximo dia 1 de Agosto, é bom que o senhor presidente da câmara municipal da Figueira da Foz tenha a noção que vai passar tempos difíceis. É claro que pode contar sempre com a imprensa. Os anúncios, um a um, mais manchete, menos manchete, vão continuar a aparecer. Resta saber,  se alguns não serão "fake news"...
Voltando aos trabalhadores do Cabedelo, de que ninguém se lembrou na reunião da passada segunda-feira.
Alguns, os mais idosos,  que já trabalham no Cabedelo há 30 anos, vão passar o resto da vida que lhes resta na angústia de perderem a reforma ou de a verem drasticamente diminuída. Os mais jovens, têm duas soluções: ou vão deixar o seu país em busca de trabalho no estrangeiro;  ou, se ficarem por cá,  vão ficar na expectativa de arranjar um emprego que os fará mergulhar para sempre na espiral da precariedade, da insegurança e da exploração. 



FALTAM 23 DIAS.
“MESTRE MÁRIO SILVA, OS PATOS BRAVOS DO BETÃO JÁ CHEGARAM À TUA PRAIA!!”
10 anos e picos depois, uma câmara que  não é socialista, quer transformar um reduto especial, como ainda é o Cabedelo, em mais um mártir ambiental no nosso concelho, não recuando perante nada, nem mesmo a evidência das coisas, cometendo mais um atentando paisagístico e ambiental.
Recordo a quem de direito, que uma cidade é sempre, pelo menos, dual.
Tem uma zona cosmopolita e tem, por assim dizer, outras mais características, a que se costuma designar como típicas.
O tipicismo é a profunda genuinidade...
É onde reside a alma de uma cidade como a Figueira, a sua verdade que se tem que manter, sob pena dela se descaracterizar.
É isto que o Cabedelo é: genuíno, assim como está, com o Parque de Campismo (melhorado e remodelado, sim senhor...), que foi, já lá vão quase 30 anos, quem deu vida e alma ao Cabedelo, como todas as suas valências, incluindo a onda de surf.

Sem comentários: