.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

A nova direita na Figueira...

foto sacada daqui
A situação é completamente original: a continuada incapacidade do partido do Paulo Portas na Figueira, trouxe à ribalta política local, Vânia Isabel Batista, que foi eleita presidente da Concelhia do CDS/PP.
Numa entrevista hoje publicada pelo jornal AS BEIRAS, pareceu-me trazer algo que está arredado da política,  há muito, por estes lados: uma certa ingenuidade, seriedade e franqueza no exercício da política...
“Há vários mandatos que o CDS/PP não elegia um deputado municipal. Se não integrasse esta aliança, teria sido eleita deputada e Francisca Geraldes teria sido eleita também?” – pergunta o jornalista.
“Com toda a franqueza, não me parece que fosse possível, no momento em que o partido se encontrava, sem uma Comissão Política Concelhia eleita, sem trabalho no terreno. Seria muito complicado eleger qualquer mandato. Por uma questão de seriedade, tenho de dizer isto,” respondeu Vânia Isabel Batista.
A actual crise da Figueira foi e é,  antes de mais, política, pois tem a ver com o que têm valido, na prática, os princípios e a prática dos  partidos que têm governando o concelho nos últimos 40 anos – PS e PSD, como é do conhecimento geral.
Logo que tomam o poder,  são rapidamente dominados por um clientelismo devorador que a tudo antepõe o objectivo da “ocupação” da autarquia. Só assim se passa a dispor dos  empregos, das  oportunidades e das influências.
Como se tem verificado, a oposição local, vê reduzido perigosamente o espaço para a verdade e para a acção política séria.
Com isso tem perdido, sobretudo,  a Figueira.
A democracia, cá pela Figueira, tem sido um engano.  Para muitos, nos quais me incluo, transformou-se numa terrível desilusão.
O clientelismo partidário local encontrou um aliado decisivo no “partido da câmara”. Sem este não há votos suficientes, sem votos não há “ocupação” do poder na câmara e sem esta “ocupação” não há distribuição de benefícios e prebendas entre os aficionados.
Assim  se tem vindo a construir e a exercer ao longo dos anos  o poder local figueirense que nos conduziu, como aconteceu em tantos outros municípios por este nosso país, ao desordenamento urbanístico, a agressões ao meio ambiente, ao endividamento, à estagnação, etc...
Os resultados desta traficância de favores políticos têm sido fatais para o desenvolvimento do concelho  e têm-se traduzido,  como temos visto ao longo dos anos,  no  descrédito dos políticos...
Estão a perceber porque registei aquilo que me pareceu algo completamente original e que está arredado da política,  há muito, por estes lados?..
A  ingenuidade, a seriedade e franqueza da nova direita figueirense!..
Ouçam a entrevista. Não custa nada, é só clicar aqui

Sem comentários: