Sou o senhor de meu destino; Sou o capitão de minha alma.” William Ernest Henley

terça-feira, 23 de junho de 2020

No Porto "a cidade vai nua: este ano o S. João não passa do portão"

Este ano a Festa de São João, no Porto e em Gaia, foi cancelada devido à Covid-19, coisa que nunca tinha acontecido até hoje,  nem no Cerco do Porto, nem na Patuleia, nem na pandemia de 1918

As autarquias do Porto e de Gaia não realizam, este ano, a tradicional festa, "tendo em conta o potencial de risco para a saúde pública que este evento representa".
"Uma medida que deixa os portuenses e todos os amantes desta grande festa certamente tristes mas que, nesta altura, se afigura a mais prudente, especialmente dada a incerteza de propagação do vírus e das suas consequências".
«Éramos um só. E mergulhávamos "na imensa maré de gente, subitamente barulhenta, afectuosa, entre bombos e morteiros e balões, alecrim, erva-cidreira, alho-porro, fogo preso ao céu". E íamos "num semovente frenesim carnal que afaga, como uma vaga, toda a cidade", "até que a vertigem e aturdimento da noite anónima nos engolisse também". Éramos a "desordenada multidão, na gritaria, na eufórica desrazão, no dichote, na imprecação". E "íamos apaixonados, levados num impreciso roteiro de abraços, orgíaco e pagão". E trocávamos "graças, sorrisos, abraços, a cantar e a empurrar também, exuberantes, inocentes, generosos, fraternos, vertiginosos".
Éramos um só, sabia Manuel António Pina, o eterno poeta e cronista e jornalista do JN. E éramos felizes, e sabíamo-lo, e éramos imortais.
Mas, subitamente, a cidade enche-se de silêncios, não cantamos, não gritamos, não cheiramos, não há nada, as ruas estão cheias de ninguém. O que sucedeu? Ficamos nus, como a cidade, emudecemos: o S. João, o dia da "noite mais longa do ano", o dia do solstício do Verão, o S. João foi cancelado, dissolveu-se, aboliu-se, está anulado."

Sem comentários: