Sou o senhor de meu destino; Sou o capitão de minha alma.” William Ernest Henley

terça-feira, 31 de dezembro de 2019

Na Figueira não é sempre carnaval para todos...


FOTO Ricardo Nascimento
Aspecto de uma das ruas da baixa da Figueira da Foz, cortada ao trânsito e cheia de obstáculos para os peões  
"Os trabalhos de requalificação da baixa da Figueira da Foz iniciaram-se há um ano, mas pouco depois pararam porque a empresa que as iniciou entrou em falência, levando ao atraso da execução da obra. Situação que deixa revoltados os moradores e comerciantes de São João do Vale.

"Isto é um estaleiro de obras a céu aberto e ao abandono", lamenta Álvaro Fernandes, de 67 anos, morador e comerciante na Rua dos Combatentes.

"Vivemos aqui encurralados", diz, revoltado, o empresário, que alerta ainda para a falta de segurança. "Se for preciso aqui vir um camião dos bombeiros ou ambulância não pode, isto está assim há mais de um ano".

Na zona os comerciantes vão somando os prejuízos com uma queda na facturação que atinge os 100%. É o caso de Carlos Lourenço, que recorreu à banca para abrir uma pastelaria que entretanto vai fechar: "não consigo fazer face aos encargos, isto está às moscas porque os clientes não conseguem passar", lamenta o jovem empresário. Transtornos que são sentidos por Maria Pinto, dona de uma loja de ferragens e material eléctrico: "perdemos clientes e queremos carregar ou receber material e não podemos".

Júlio Nicolau, dono de um restaurante, lembra que "é assim há 17 meses, em junho as obras pararam e deixaram os esgotos a céu aberto, era um cheiro horrível, só ratos e ratazanas. Pedem-nos mais 15 meses, que é para isto estar pronto para as eleições autárquicas", acusa o empresário. A Câmara dá razão às queixas e diz que tem "pressionado no sentido de que as obras estejam concluídas o mais rápido possível", disse ao Correio da Manhã o autarca Carlos Monteiro."

Sem comentários: