quinta-feira, 12 de dezembro de 2019

Da série, Paço de Maiorca:um «crime financeiro» e «negócio ruinoso», mas (digo eu...), «com charme»!.. (3)

Recorde-se: o negócio do Paço de Maiorca e a ruinosa parceria público-privada com a Quinta das Lágrimas, são da responsabilidade de executivos municipais PSD, liderados pelo dr. Santana Lopes e pelo falecido eng. Duarte Silva.

Isabel Maranha Cardoso: "No mandato de Santana Lopes adquiriu-se património vocacionado ou com aptidão para ser gerido por privados mas que, por impulso, ou simplesmente para agradar à população, foram adquiridos. Não enriqueceram o património municipal pois passaram a ser sinais de despesa, ineficiência e ausência de ideias para lhe dar um fim que servisse a comunidade."
Foi o caso, entre outros, do Paço de Maiorca, que a câmara municipal, há cerca de 21 anos, decidiu, por unanimidade,  adquirir.
Em Dezembro de 2019 estamos neste ponto...

Podia ser dita muita coisa, mas que acrescentar ao que disse, em Novembro de 2012,  o então deputado Nelson Fernandes?
“Tudo isto sem dúvida que correu bem para a Quinta das Lágrimas. Isto é um buraco para a Câmara mas não é o pior. Isto é um padrão do que aconteceu no mandato anterior. Parceiros há aí aos montes, é preciso é escolhê-los bem como fizeram no mandato anterior”. 

2 comentários:

Rogério Neves disse...

Que este negócio ou parceria iria trazer graves prejuizos para o Municipio Figueirense e obviamente para os seus Municipes já se adivinhava há muito tempo. Tanto quanto se sabe isto aconteceu nos Consulados de Santana LOpes (Compra) e Duarte Silva (Parceria ruinosa).
Muito sinceramente vou ficar agora á espera do que dirão alguns arautos da desgraça que por dá cá aquela palha acusam e crucificam o actual executivo sobre este processo

António Agostinho disse...

... e, depois de 2009, o executivo socialista, já passaram 10 anos, não resolveu o problema. Salvo erro de 1 milhão, quando Ataíde tomou posse em 2009, já vamos em 5 milhões... E não vai ficar por aqui...