Sou o senhor de meu destino; Sou o capitão de minha alma.” William Ernest Henley

terça-feira, 2 de abril de 2019

Uma viagem pelo interior da política partidária

Torre J. Pimenta: Uma das muitas histórias por contar desta nossa cidade, que premiou alguns dos contentinhos deste regime deletério em que vivemos, que contribuíram para o actual momento da Figueira da Foz... 
Vivemos num país, em que deputados que são advogados, vão para o parlamento fazer leis à medida, em que deputados dão moradas de fim de semana para receberem ajudas de custo que deviam ser indevidas, que deputados não vão ao parlamento e justificama ausência com trabalho político, em que deputados são fiéis ao partido e não ao bom povo que  os elegeu. Vivemos num país, onde os deputados são fieis ao interesse coorporativista e não a um povo desgraçado.

Vivemos num país, em que alguns autarcas já começaram a ser investigados pelos atropelos que têm andado a fazer nas autarquias, beneficiando alguns, a troco de benesses. Vivemos num país, em que alguns alteram, ou suspendem, o PDM. Vivemos num país, em que se fizeram Empresas Municipais para colocar os amigos, com o argurmento que são uma mais valia para o município e passados alguns anos essas empresas são  extintas por decreto porque só deram prejuízo.

Vivemos num país, em que a estratégia de desenvolvimento passa pela estratégia de garantir o futuro dos próximos, traduzida na nomeação dos amigos para lugares estratégicos, como empresas públicas, que mais tarde serão privatizadas, para depois os receber, com salários chorudos após deixarem os lugares que ocuparam no Governo central, como Deputados ou como membros do poder autárquico.

Vivemos num país, em que nada disto é ilegal. Isso tem uma explicação: são os próprios que fazem as leis que os hão-de proteger, ficando de fora sempre as obrigações sociais, morais e legítimas para com o bom povo.

Vivemos num país, em que quem está no poder é endeusado no seu próprio partido. Tudo lhe é permitido. Alguns fecham os olhos, ou assobiam para o lado. Os YES MAN,  controlam as reuniões: não deixam ninguém hostil ao chefe abrir a boca, para dar uma ilusão de unanimidade. No governo, para manter o cargo de Ministro,  na Assembleia da República para não perder o lugar de Deputado e nas reuniões de Câmara para não lhe serem retirados os pelouros que tinham como vereador. Por tudo isto, nada contestam, a tudo dizem sim,  ou  participam activamente no esquema.

Vivemos num país, em que esta escumalha é  vencedora, porque os cidadãos de bem continuam calados, não têm uma atitude activa ou pro-activa e, com o seu silêncio, permitem que tudo aconteça.

Vivemos num país, em que nos partidos (porque só os partidos podem apresentar listas de candidatos a deputados) dois anos antes das eleições se  começam a afiar as facas, para espetar nos "camaradas/companheiros" do partido para serem eles a concorrer a cargos. Por isso é que existem tantas “broncas” nos partidos  PSD e PS. As barracadas existem por causa do poleiro. Por isso, as eleições internas são importantes: são elas que  dão a possibilidade de se obterem cargos. Não me digam que aindam pensam que determinado indivíduo, e a sua equipa, concorrem a uma concelhia ou uma distrital, só porque gostam do partido? Se assim fosse, nunca mudavam de partido…
Olhem para as movimentações que nos bastidores, neste momento, se estão a dar no PSD e no PS figueirenses. É por causa do poleiro, do poder de designar as quotas, do protagonismo, do lugar na Assembleia da Republica, na Câmara, na junta de freguesia,  ou pelo lugar de assessor...

Mas não pensem que para os Presidentes de Concelhias e de Distritais tudo é um mar de rosas. Tudo tem um custo: além dos fins de semana passados em reuniões, das noitadas, a chuva de telefonemas visando a intriga, uns a dizerem mal deste e daquele e, ao mesmo tempo, a auto-elogiarem-se. 
No sub-mundo dos partidos vale tudo. Livra...

Sem comentários: