.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

sábado, 25 de agosto de 2018

Os figueirenses têm os políticos que merecem...

Conforme já deixei explícito aqui, a Assembleia Municipal extraordinária, destinada a debater as obras na zona urbana, proposta pelo PSD para 20 de setembro, ficou a uma assinatura da sua realização (conseguiu 13, do PSD, CDU e BE).
«Ficou claro que a maioria do PS não está disponível para esclarecer os figueirenses», frisou o líder dos deputados municipais social-democratas, Teotónio Cavaco.

Sei que, neste momento, em certos sectores da política local, existe uma enorme desilusão com um deputado municipal em particular: Luís Ribeiro.
Talvez, porque em maio do ano passado o deputado municipal (e líder da secção de Buarcos do PS) Luís Ribeiro votou ao lado do PSD, CDU e BE numa moção apresentada pelos social-democratas que defendia a inclusão do horto municipal no Parque de Campismo Municipal e a sua reclassificação como zona verde.
E, também, porque entendeu "enquanto Figueirense" associar-se à iniciativa do Movimento Parque Verde, pois partilha integralmente a defesa do NOSSO Património natural: as árvores em causa estão - praticamente todas - onde devem estar! 
Subserviência mais comum, em política, não é isto.
Subserviência mais comum, é a que aceita servilmente as diretrizes do mais forte, na convicção de que quanto mais se identificar com ele maiores são as hipóteses de beneficiar de um tratamento de favor. 
É a lógica do “bom aluno”, no sentido mais pejorativo do conceito. 
É a covardia política levada ao seu expoente máximo.
Será precisamente por isso que, neste momento, em certos sectores da política local, existe uma enorme desilusão com um deputado municipal em particular?

 “O País perdeu a inteligência e a consciência moral. Os costumes estão dissolvidos e os caracteres corrompidos. A prática da vida tem por única direcção a conveniência. Não há princípio que não seja desmentido, nem instituição que não seja escarnecida. Já não se crê na honestidade dos homens públicos. O povo está na miséria. O desprezo pelas ideias aumenta em cada dia. Vivemos todos ao acaso. O tédio invadiu as almas. A ruína económica cresce. O comércio definha. A indústria enfraquece. O salário diminui. O Estado tem que ser considerado na sua acção fiscal como um ladrão e tratado como um inimigo”...E, na Figueira, esta gentinha continua à frente das sondagens.
Figueirenses: eu não mereço esta gente que vocês escolhem por maioria absoluta...
É triste. Mas,  o que vou vendo pela Figueira enfastia-me cada vez mais. 
Das duas, uma: ou estou mais exigente; ou estou mais desiludido.
Talvez seja um pouco das duas, mas parece-me que a componente da desilusão prevalece. 
Ou me engano muito, ou isto não augura nada de bom.

Sem comentários: