.

#FIQUE EM CASA. LAVE AS MÃOS. EVITE CONTACTOS. #FIQUE EM CASA. LAVE AS MÃOS. EVITE CONTACTOS. #FIQUE EM CASA. LAVE AS MÃOS. EVITE CONTACTOS. #FIQUE EM CASA. LAVE AS MÃOS. EVITE CONTACTOS. #FIQUE EM CASA. LAVE AS MÃOS. EVITE CONTACTOS. #FIQUE EM CASA. LAVE AS MÃOS. EVITE CONTACTOS. #FIQUE EM CASA.#FIQUE EM CASA.

quinta-feira, 30 de agosto de 2018

Comunicação do Movimento Parque Verde, lido hoje na Reunião de Câmara


1. O Movimento Parque Verde é um movimento de Cidadania, com mais de 20 anos de existência, que tem no seu pressuposto a defesa dos espaços verdes na zona urbana da Figueira da Foz;
2. É um movimento supra-partidário que só tem como único interesse o bem-estar da sociedade em que se insere, batendo-se, por isso, pela defesa dos corredores verdes delineados pelo Plano Garret e pelos Arq. Alberto Pessoa e Ribeiro Telles;
3. Esta defesa intransigente levou este movimento a manifestar-se contra as várias tentativas de alienação do Parque de Campismo Municipal, do Horto Municipal, do Vale do Galante e de tudo o que ponha em causa os Corredores Verdes acima mencionados, bem como todo o património natural deste concelho;
4. No passado dia 14 de Agosto fomos alertados da marcação de árvores saudáveis com uma cruz vermelha, na zona ribeirinha de Buarcos, alvo de intervenção por parte desta autarquia, assinalando o seu abate.
5. Em conversa com os trabalhadores fomos informados que o abate se daria no dia 16 de manhã, sendo que dia 15 foi feriado, era impossível a marcação de reunião com o Sr. Presidente, daí a necessidade imperiosa de marcar uma concentração local para impedir o abate;
6. Tem razão o Sr. Presidente quando agradeceu publicamente a nossa intervenção cívica pois, sem dar por ela, podia ter-se cometido um crime ambiental inaceitável em pleno sec. XXI;
7.Mas pode também agradecer a nossa intervenção ao longo destes 21 anos, pois sem ela este executivo não poderia ter feito os melhoramentos ao parque de campismo, que louvamos, nem poderia ter feito um relvado sintético no campo de treinos, que o executivo de Santana Lopes quis vender para construção urbana;

8.Exigimos que tome uma decisão política justa, a qual deverá passar pela compatibilização do património arbóreo pré-existente com o projecto urbanístico em curso, sendo esta uma necessidade absoluta, pois estamos a falar de árvores com mais de meio século, em perfeito estado de saúde e sem qualquer problema para a segurança e saúde públicas;
9.Alertamos também para a retirada de consequências políticas suas e de alguns dos seus pares na governação, pela incompetência demonstrada em todo este processo, para o Presidente não acabar o seu último mandato em desgraça, com uma imagem pessoal denegrida que apaga os dois mandatos anteriores;
10.De facto a nossa intervenção não surgiu agora, ao contrário do que alguns tentam transmitir, temos um passado de independência em relação aos vários executivos que por aqui vão passando;
11.O nosso objectivo é um só: ajudar a preservar o património verde da Figueira da Foz, para que as próximas gerações possam ter acesso a esse património da mesma forma que nós temos.

Sem comentários: