.

“O que impede de saber não são nem o tempo nem a inteligência, mas somente a falta de curiosidade.”
- Agostinho da Silva

domingo, 21 de junho de 2015

O problema da percepção da corrupção deve ser mesmo o "P"... Ou então a "cedilha"

No tempo que passa, é raro, muito raro mesmo, o dia em que os jornais não falem de corrupção.
As coisas vêm a lume, há espectáculo, vende-se papel.
Contudo, de concreto, quase nada acontece. O piso é escorregadio. Poucos se arriscam num piso assim.

Onde haja pessoas, a conversa facilmente resvala para o tema corrupção: na tasca, no café, na praia, nos transportes públicos, no mercado...
Tantas coisas de que há indícios, tanta gente que sabe e,  no entanto, tirando o caso de Sócrates, é como se não existissem.
Umas, já prescreveram; outras, quem é que quer dar a cara e meter-se em trabalhos?

Na maior parte das vezes não existem provas.
O dinheiro  é pago por fora, sem deixar rasto.
Como se vai depois atrás dele? 
Quem denuncia – eu sei do que falo – no mínimo, acaba metido em incómodos, sarilhos e pode até perder o posto de trabalho …
Aconselha a prudência - eu sei do que falo... -  que, quem sabe alguma coisa, pense mais que duas, três ou mil vezes antes de se manifestar.

Se uma empresa, por exemplo, pagar luvas a alguém, nos registos da firma nada aparecerá relacionado com o alvo a corromper: podem existir despesas confidenciais, ofertas a clientes, despesas comerciais, despesas de marketing, deslocações… Na fuga ao fisco (alguém a receber por fora), há hipótese da apresentação de despesas que são contabilizadas como despesas variadas da empresa e nada as relacionar fiscalmente com quem as apresenta e com quem recebe o respectivo pagamento.

Mas quantas empresas e organismos oficias, juntas de freguesia, por exemplo - não terão ainda  o célebre “saco azul” -  dinheiro em notas num cofre, dinheiro que entra e sai sem registo contabilístico e fiscal?
Muita gente sabe e em conversa de café fala. Contudo, dificilmente alguém conseguirá provar o que quer que seja - a menos que alguém, logo na altura em que as coisas acontecem, faça gravações, obtenha fotocópias de algum recibo manual, coisa que geralmente também não existe - obtenha prova de depósitos bancários em numerário sem explicação natural...
Tudo coisas improváveis, especialmente, cinco, dez, quinze ou vinte anos depois.

Temos é de ser optimistas e confiar em quem de direito.
Ainda não há muito tempo, a procuradora-geral Adjunta Cândida Almeida afirmou  que "Portugal não é um país corrupto" e que existe uma "percepção" exagerada da dimensão deste crime, sublinhando que é dos poucos Estados europeus onde se investigam "grandes negócios do Estado".
"Acontece que as pessoas, de uma maneira geral, sem saberem exactamente o que estão a dizer, falam de corrupção num conceito sociológico, ético-político eventualmente, mas falam de coisas que não são corrupção, falam de coisas afins"... 
"A corrupção tem a ver com cidadãos ou funcionários que se vendem ou querem vender-se".

Sem comentários: