.

"Como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os estados socialistas, os estados capitalistas e o estado a que chegámos" na Figueira.

sábado, 13 de junho de 2015

As árvores da Figueira: será que a culpa é só do jardineiro-biscateiro?..

Cito o eng. João Vaz:
“As pobres das árvores, depois da violenta rolagem a que foram sujeitas pelos jardineiros da Câmara Municipal, estão agora enfraquecidas - o estilo pom-pom - apresentando  umas folhitas no topo de troncos enormes. Estamos a meio de Maio, aquilo que deveria ser o esplendor vegetativo é uma parca mostra de sobrevivência das árvores.
Enfim, enquanto os jardineiros não tiverem formação adequada, vão perpetuar-se este tipo de erros na gestão do património arborícola.”

“Há árvores bem tratadas, com uma copa natural e equilibrada, e há árvores mal tratadas: a copa completamente destruída por podas camarárias mal dirigidas e executadas. Os "biscateiros" pegam na moto-serra, sobem ao escadote e destroem a copa (rolamento). Para quê? É tradição, sempre assim se fez e continuará a fazer. Quem perde? Todos nós. As árvores ficam fragilizadas, aumenta o risco de caírem, envelhecem precocemente sujeitas a feridas que demoram anos a sarar. Quando a ferida sarar, lá vem outro corte (poda)!
Mas, no dia da árvore lá estaremos a comemorar!”

Em tempo.
Na Figueira, desde há muitos anos,  temos a cultura desta coisa extraordinária: na câmara, desde os chefes de gabinete, passando pelos assessores e pelos motoristas,  as escolhas são normalmente feitas pelos presidentes e vereadores eleitos, com respeito pela máquina partidária vencedora das eleições.
Que se esteja  insatisfeito com um jardineiro e nada aconteça no decorrer de vários anos, leva-me a crer que a excepção, que confirma a regra da admissão por confiança política na câmara da Figueira –  os tais que podem ser demitidos a qualquer momento – deve ser mesmo o jardineiro- biscateiro!..
Claro que é sempre mais difícil - e não é isso que estou a propor - demitir o vereador do Ambiente, em último caso o verdadeiro responsável  político por uma câmara que trata as árvores com um desprezo olímpico.
Carlos Monteiro – o Cabedelo é disso um exemplo -  não é nem melhor nem pior do que a desgraça que têm sido os sucessivos  vereadores do Ambiente  de anteriores executivos camarários figueirenses.
Valha-nos a tradição: normalmente, a culpa costuma ser do porteiro …
Desta vez,  é do jardineiro-biscateiro…
E, por exemplo, no Cabedelo, na praia da Figueira, ou na Serra da Boa Viagem, de quem é a culpa?

Sem comentários: