"Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha." - Confúcio

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Ponte Galante, um "elefante branco", resultado de uma enorme suspeita de corrupção que varreu a Figueira no início deste século XXI…


Conclusão do hotel e dos apartamentos do empreendimento da Figueira da Foz depende de um fundo imobiliário da Caixa Geral de Depósitos, numa altura em que um dos sócios da empresa promotora está fugido à justiça. 
A Secretaria de Estado do Turismo prorrogou a validade turística prévia ao Hotel Apartamentos Oásis Plaza até 31 de agosto de 2013. Mas, se não abrir antes daquela data, perde os fundos do Turismo de Portugal. 
A unidade hoteleira está praticamente concluída, faltando o mobiliário e os acabamentos.
Segundo um texto ontem publicado no diário AS BEIRAS, o presidente da Câmara da Figueira da Foz está moderadamente optimista em relação à conclusão do empreendimento hoteleiro e habitacional da Ponte do Galante. "Tenho um optimismo moderado", disse João Ataíde, convidado do programa "Estado concelho", da Figueira TV.
João Ataíde tem diligenciado a favor da conclusão das obras, o que neste momento depende de um fundo imobiliário liderado pela Caixa Geral de Depósitos.
Recorde-se, que este  processo encontra-se rodeado de uma nebulosa desde a hasta pública para a venda do terreno municipal, com os vencedores a alienarem o lote, em 24 horas, por um preço várias vezes superior ao da compra.
A venda do terreno destinava-se, apenas, a uma unidade hoteleira, mas os novos proprietários condicionaram a construção do hotel à aprovação, pela Câmara Municipal da Figueira da Foz, do empreendimento habitacional.
A autarquia não só o aprovou como alterou planos para o hotel ganhar mais alguns metros do passeio da marginal oceânica. Travado durante cerca de um ano por providências cautelares, o projecto arrancou em 2004. Porém, os problemas financeiros que entretanto surgiram foram atrasando as obras e a inauguração da unidade hoteleira tem vários anos de atraso.
Entretanto, se as dificuldades financeiras não bastassem, António Cereja Bastos, sócio da promotora do empreendimento, matou um indivíduo que lhe roubava combustível das viaturas estacionadas nos armazéns, em Porto de Mós, decorria o ano de 2009.

Sem comentários: